30 caixotes e um autocarro incendiados na área de Lisboa e em Setúbal

Três dezenas de caixotes do lixo e ecopontos foram incendiados durante a noite desta quinta-feira em toda a área do Comando Metropolitano de Lisboa (COMETLIS), com especial incidência no concelho de Sintra, revelou a PSP.

De acordo com a mesma fonte, não foi registado na área de atuação do COMETLIS qualquer caso de viaturas incendiadas, mas o mesmo não aconteceu em Setúbal, onde a polícia detetou um autocarro a arder pelas 02:35, na Avenida Bento de Jesus Caraça.

Fonte da PSP disse ainda que foram detidas três pessoas, mas a polícia ainda está a investigar se estão ou não relacionadas com o incidente do autocarro.

As últimas noites têm sido marcadas por diversos atos de vandalismo na Área Metropolitana de Lisboa e em Setúbal.

Estes atos começaram depois de uma manifestação, na segunda-feira, em Lisboa, contra a violência policial, após uma intervenção da PSP no bairro da Jamaica, no Seixal (Setúbal), no domingo, que resultou em incidentes entre os moradores e a polícia que provocaram cinco feridos civis e um agente.

Num comunicado anterior, a PSP esclareceu que "nada indicia, até ao momento, que [estes incidentes] estejam associados à manifestação" de protesto que decorreu na segunda-feira, em frente ao Ministério da Administração Interna.

Após a manifestação de segunda-feira em Lisboa, quatro pessoas foram detidas na sequência do apedrejamento de elementos da PSP por participantes no protesto.

O Ministério Público e a PSP abriram inquéritos aos incidentes no bairro da Jamaica.

Entretanto, a PSP reforçou nos últimos dias o policiamento na Bela Vista, em Setúbal, e em algumas zonas dos concelhos de Loures, Odivelas e Sintra (distrito de Lisboa), após os incidentes registados com o lançamento de "cocktails Molotov" contra uma esquadra e o incêndio de caixotes do lixo, ecopontos e de várias viaturas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".