Incêndios: 14 concelhos em risco máximo no interior norte e centro e no Algarve

Instituto Português do Mar e da Atmosfera prevê vento moderado a forte e subida ligeira da temperatura máxima. Temperaturas vão variar entre os 35ºC de máxima em Beja e Évora e mínimas de 11ºC, em Braga.

Catorze concelhos dos distritos de Portalegre, Castelo Branco, Santarém e Faro estão esta quarta-feira em risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que prevê vento moderado a forte e subida da temperatura máxima.

De acordo com o IPMA, estão em risco máximo de incêndio os municípios de Marvão, Gavião e Nisa (Portalegre), Vila Velha de Ródão, Proença-a-Nova e Vila de Rei (Castelo Branco), Mação, Abrantes e Sardoal (Santarém), e Castro Marim, Tavira, São Brás de Alportel, Tavira, Silves e Monchique (Faro).

O IPMA colocou ainda em risco muito elevado mais de sete dezenas de municípios dos distritos de Bragança, Vila Real, Braga, Porto, Coimbra, Viseu, Guarda, Castelo Branco, Santarém, Beja e Faro.

Dezenas de outros municípios do interior norte e centro, da região de Lisboa e do Alentejo e Algarve estão em risco elevado, num dia em que o vento vai soprar moderado a forte no litoral oeste e nas terras altas, em especial do Centro e Sul, e em que está prevista uma pequena subida da temperatura máxima.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo, sendo o elevado o terceiro nível mais grave.

Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

As temperaturas máximas vão subir ligeiramente, atingindo os 35ºC (Beja e Évora) e as mínimas chegarão aos 11ºC (Braga).

A Proteção Civil alertou na segunda-feira para o aumento do risco de incêndio até ao dia de hoje por causa da previsão de agravamento das condições meteorológicas, com diminuição da humidade relativa e aumento da intensidade do vento e da temperatura, em especial no interior norte e centro e na região do Algarve.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) alertou igualmente para a proibição de queima de matos cortados e amontoados nos locais onde o risco de incêndio seja elevado ou muito elevado.

Está igualmente proibido o uso de fogareiros e grelhadores em todo o espaço rural, exceto se usados fora das zonas críticas e nos locais devidamente autorizados para o efeito, o lançamento de balões com mecha acesa e de foguetes e o uso de fogo-de-artifício só é permitido com autorização da Câmara Municipal.

Riscos de radiação ultravioleta atinge oito distritos e toda a região sul

Oito distritos do interior norte e centro e toda a região sul de Portugal Continental apresentam hoje um risco muito elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV), segundo o IPMA. Segundo o Instituto, estão igualmente com risco muito elevado de exposição à radiação UV toda a Região Autónoma da Madeira e a ilha das Flores, nos Açores.

Já em risco elevado estão dez distritos em Portugal Continental, abrangendo toda a região norte, à exceção de Bragança, que tem risco muito elevado, e Lisboa, Leiria e Santarém.

No arquipélago dos Açores, segundo o IPMA, estão em risco elevado de exposição à radiação UV as ilhas da Terceira e do Faial.

Para as regiões com risco muito elevado e elevado, o IPMA recomenda a utilização de óculos de sol com filtro UV, chapéu, 't-shirt', guarda-sol, protetor solar e evitar a exposição das crianças ao Sol.

O índice ultravioleta varia entre 1 e 2, em que o risco de exposição à radiação UV é baixo, 3 a 5 (moderado), 6 a 7 (elevado), 8 a 10 (muito elevado) e superior a 11 (extremo).

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Para hoje, o IPMA prevê vento moderado a forte no litoral oeste e nas terras altas, em especial do centro e sul, e uma pequena subida da temperatura máxima.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.