Mais 31 mortes e 349 infetados. Casos de covid-19 sobem 2,1% em Portugal

São dados desta segunda-feira do boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. Correspondem a 81 por cento dos casos confirmados.

Nas últimas 24 horas, morreram mais 31 pessoas em Portugal vítimas da covid-19 e foram confirmados mais 349 novos casos de infeção, que são agora 16 934 - um aumento de 2,1% em relação ao dia anterior. O número de óbitos subiu para 535.

Há 277 casos de pessoas que já recuperaram da doença. São 3224 as que aguardam resultado laboratorial.

"A taxa de mortalidade subiu para 3% e a taxa de mortalidade acima dos 70 anos subiu para 11%", disse a ministra da Saúde, Marta Temido, na conferência de imprensa desta manhã.

São dados atualizados às 11:00 desta segunda-feira. A DGS alerta que a informação refere-se ao total de notificações clínicas no sistema SINAVE e correspondem a 81 por cento dos casos confirmados.

O boletim dá ainda conta de que 26 989 pessoas estão em vigilância pelas Autoridades de Saúde.

A diretora-geral da Saúde Graça Freitas explicou também que a região Centro de Portugal é a que tem maior taxa de letalidade "porque [é onde existe] uma grande densidade de lares".

O Norte do país contabiliza 303 óbitos, o Centro 123, a região de Lisboa e Vale do Tejo regista 96, o Algarve 9 e os Açores 4.

Não há óbitos a registar na Madeira nem no Alentejo.

No domingo de Páscoa, o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) dava conta de 504 mortes, 16585 infetados e 277 recuperados. Os novos casos reportados no país tinham aumentado 3,7%.

Os dados da DGS precisam que o concelho de o Porto é o que regista o maior número de casos de infeção pelo coronavírus (921), seguido de Lisboa (905 casos), Vila Nova de Gaia (842), Matosinhos (715), Gondomar (701), Braga (647), Maia (600), Valongo (491), Ovar (416) e Sintra com 397 casos.

A região Norte continua a registar o maior número de infeções, totalizando 9.984, seguida pela região de Lisboa e Vale do Tejo, com 3.896 casos, da região Centro (2.477), do Algarve (284) e do Alentejo com 140 casos.

188 doentes em cuidados intensivos

Em Portugal, a maioria dos doentes infetados com covid-19 encontra-se a recuperar e, casa, mas 1187 estão em internamento hospital - destes 188 estão em unidades de cuidados intensivos.

No topo dos sintomas da doença está a tosse (56%), seguida da febre (48%), dores musculares (29 %), cefaleia (26 %), fraqueza generalizada (23%) e dificuldade respiratória (16%).

Há 6 mortes na faixa etária entre os 40-49 anos, 17 na faixa etária entre 50-59 anos, 52 óbitos na faixa etária entre os 60-69 anos, 111 mortes na faixa etária 70-79 anos e 348 óbitos em pessoas com mais de 80 anos.

Espanha (166), França (123), Reino Unido (75) Suíça (45) e Emirados Árabes Unidos (46) são os países que representam um maior número de casos importados da doença.

Realizados 11 mil testes num único dia

Entre os casos confirmados de covid-19, a esmagadora maioria é de pessoas na faixa etária entre os 40-49 anos (1159 homens e 1773 mulheres) e entre os 50-59 anos (1180 homens e 1762 mulheres).

Há 284 crianças até aos nove anos infetadas com covid-19.

Na conferência de imprensa desta segunda-feira Marta Temido disse tambémque desde 1 de março "já foram realizados 179 mil testes covid-19" em Portugal.

"Durante os 12 primeiros dias de abril já realizámos mais testes do que durante o mês de março", acrescentou a ministra da Saúde.

Quinta-feira (9 de abril) foi o dia que Portugal realizou mais testes: foram maios de 11 mil, segundo Marta Temido.

"A realização de testes está alinhada com instruções europeias e tivemos a preocupação adicional de realizar testes em locais com muitos idosos, nomeadamente os lares", explicou, revelando que é nestes locais que se concentra o maior número de óbitos.

Sobre um possível retrato socioeconómico das pessoas infetadas com o novo coronavírus, Graça Freitas, Diretora-Geral da Saúde,, disse que essa não é uma preocupação da DGS.

"A profissão, a idade e o género é que pretendemos registar. Caracterização social dos doentes poderá ser feita noutros tempos", acrescentou.

Portugal, em estado de emergência até 17 de abril e onde o primeiro caso foi confirmado em 2 de março, está na terceira e mais grave fase de resposta à doença (Fase de Mitigação), ativada quando há transmissão local, em ambiente fechado, e/ou transmissão comunitária.

Mais de 1,8 milhões de casos no mundo

Há 1 858 800 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus no mundo inteiro, esta segunda-feira, segundo dados oficias, atualizados às 09:19. Registam-se, neste momento, 114 608 mortes e 429 020 recuperados.

Os Estados Unidos da América são o país com o maior número de casos (533 115) e de mortes (20 580). Segue-se Espanha com 166 019 - o segundo país com mais infeções e o terceiro com mais óbitos (16 972, mais 619 nas últimas 24 hortas). A Itália é a segunda nação com mais vítimas mortais (19 468) e 152 271 casos. Portugal aparece nesta lista em 15º lugar,

Recomendações da DGS

Para que seja possível conter ao máximo a propagação da pandemia, a Direção-Geral da Saúde continua a reforçar os conselhos relativos à prevenção: evite o contacto próximo com pessoas que demonstrem sinais de infeção respiratória aguda, lave frequentemente as mãos (pelo menos durante 20 segundos), mantenha a distância em relação aos animais e tape o nariz e a boca quando espirrar ou tossir (de seguida lave novamente as mãos). E acima de tudo: fique em casa.

Em caso de apresentar sintomas coincidentes com os do vírus (febre superior a 38º, tosse persistente, dificuldade respiratória), as autoridades de saúde pedem que não se desloque às urgências, mas sim para ligar para a Linha SNS 24 (808 24 24 24) ou para a unidade de cuidados primários mais próxima.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG