Grua cai em cima de nove casas e deixa família desalojada no Porto

Incidente ocorreu no início desta tarde. Bombeiros que acorreram ao local dizem que não há, até ao momento, qualquer registo de feridos.

Uma grua caiu este sábado em cima de nove habitações na rua da Corticeira, zona das Fontainhas, na cidade do Porto, e terá deixado uma família com três elementos desalojada, segundo a agência Lusa. Uma fonte dos Bombeiros Sapadores do Porto confirmou ao DN que o acidente resultou na danificação de sete casas, quatro das quais devolutas.

Em declarações à agência Lusa, fonte dos Bombeiros Sapadores do Porto disse que o alerta para a queda de uma grua na rua da Corticeira foi dado às 13:43 e que "não há feridos a registar".

De acordo com a Lusa, as autoridades "estão a averiguar se as habitações têm condições de habitabilidade devido aos danos causados pela grua". Fonte do Comando Distrital de Operação de Socorros disse, por seu turno, que três das habitações atingidas estavam "devolutas".

No local estão os Sapadores do Porto, PSP, Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e Proteção Civil.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.