Golfinho apareceu morto na Doca dos Olivais

O animal estava desaparecido desde o dia 3 de abril e foi encontrado esta quarta-feira no mesmo local onde tinha sido avistado pela última vez.

O golfinho-riscado que estava desaparecido há uma semana da Doca dos Olivais, no Parque das Nações, em Lisboa, apareceu esta quarta-feira morto no mesmo local, disse à agência Lusa fonte do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Marina Sequeira, bióloga do instituto, disse à agência Lusa que o animal foi encontrado "esta manhã na doca", mas não soube precisar se o cadáver do animal já teria sido removido da Doca dos Olivais.

A bióloga adiantou ainda que, "dado o estado de decomposição do animal", não iria ser feita qualquer intervenção para perceber o que poderá ter estado na origem da morte.

O golfinho-riscado arrojou na margem do rio Tejo junto ao Parque das Nações no dia 31 de março e foi depois transportado até à Doca dos Olivais, na mesma freguesia, onde foi avistado pela última vez no dia 3 de abril. À data, Marina Sequeira, adiantou à agência Lusa que uma das causas para o desaparecimento poderia ter sido a morte do animal, tendo na altura admitido que poderia estar "debaixo do edifício do Oceanário ou das pontes pedonais", garantindo que a operação de captura iria continuar.

Durante a operação de captura, no dia 4 de abril, o ICNF, a Polícia Marítima e o Centro de Reabilitação de Animais Marinhos da Gafanha da Nazaré (concelho de Ílhavo, distrito de Aveiro) concluíram que o animal "não se encontrava na Doca dos Olivais".

Nessa mesma data, um golfinho deu à costa em Alcochete, no distrito de Setúbal, mas após autópsia foi possível confirmar que não se tratava do mesmo animal que, à data, estava dado como desaparecido.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.