GNR trava carro em excesso de velocidade e acaba a levar grávida a hospital

GNR mandou parar na A3 um carro em excesso de velocidade, no qual seguia mulher grávida em trabalho de parto. Guardas acabaram por abrir caminho em marcha de urgência até à maternidade do Porto.

A patrulha do Destacamento de Trânsito de Penafiel encontrava-se a efetuar uma ação de prevenção da sinistralidade, com o controlo de velocidade de veículos a ser o principal objetivo. Foi assim que detetaram ainda na A4 um veículo em excesso de velocidade. Foram no seu encalço, e já na A3, perto da localidade de São Mamede de Infesta, junto ao Porto, fizeram a sua interceção. Foi aí que verificaram que seguia uma grávida em trabalho de parto. E logo foram a abrir caminho até à maternidade do Porto.

"Os militares, ao abordarem o condutor, verificaram que este se fazia acompanhar da sua esposa, a qual estava em trabalho de parto e com muitas dores, tendo os militares de imediato iniciado a marcha de urgência, o que possibilitou que a mulher grávida chegasse rapidamente e em segurança ao Centro Materno-Infantil do Norte, considerando que os acessos àquele local estavam bastante congestionados", explica a GNR em comunicado.

Os elementos da GNR acabaram assim por garantir o desembaraçamento de trânsito e fizeram o acompanhamento do veículo até ao hospital. Como foi tudo muito rápido e os guardas só tiveram a preocupação de levar o automóvel até à maternidade, Largo da Maternidade de Júlio Dinis, nem registaram a localidade de origem do casal nem tinham, a meio da tarde, informação sobre o parto.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.