Furto das Glock da PSP: porquê "Operação Ferrocianeto"?

A operação, que levou à detenção de três suspeitos (ou quarto foi detido pela PJ, na investigação de Tancos) tem o nome de "Ferrocianeto", substância azul, a cor da PSP, porque há dois polícias detidos

"Ferrocianeto" é o nome da operação da PSP que esta manhã levou à detenção de três suspeitos do furto das 57 pistolas Glock, crime detetado em janeiro de 2017. A originalidade da designação tem um motivo, que fonte desta instituição já explicou ao DN, e está relacionado com os dois polícias detidos.

A PSP não perdoa quando algum dos seus agentes põe em causa a credibilidade da instituição e era isso que os responsáveis tinham em mente quando pensaram nesta designação, no mínimo, estranha. Ferrocianeto é um dos nomes químicos do chamado "Azul da Prússia" , um pigmento semelhante à cor oficial da PSP.

"Ferrocianeto porque é corrosivo, como os dois agentes suspeitos foram corrosivos para a PSP", sublinha a fonte policial.

Na operação que decorreu esta manhã, no âmbito da investigação ao roubo das pistolas, foram detidos três suspeitos (além dos dois polícias um civil) mas um quarto suspeito já tinha sido preso no âmbito do inquérito do assalto a Tancos.

Este arguido, A. Laranginha, terá sido o intermediário para a venda das armas a grupos criminosos, entre os quais alfguns com atividade no estrangeiro - quatro das pistolas furtadas foram apreendidas em Espanha (Ceuta e Andaluzia) em operações ligadas ao tráfico de droga.

Em causa estão os crimes de associação criminosa, tráfico de armas e peculato. O inquérito, que durava há 23 meses, foi dirigido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) - pelos mesmos procuradores que investigam Tancos - e está a cargo da Divisão de Investigação Criminal do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP.

Foi realizado um total de 14 buscas domiciliárias e quatro não domiciliárias em vários pontos do país: Vila Nova de Gaia, Gondomar, Mafra. Abrantes, Cascais, Oeiras, Lisboa, Almada e Albufeira. Na operação estiveram envolvidos cerca de 150 agentes da PSP.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.