Fugitivos apanhados tinham 40 mil euros em notas de 500

Fotografias divulgadas dos três indivíduos foram "fundamentais" para a captura, disse a PSP em conferência de imprensa. Namorada de um deles terá ajudado à operação

Quando foram detidos, por volta das 17.30 desta sexta-feira, junto ao parque de campismo de Medas (Gondomar), os três indivíduos que na véspera tinham escapado do Tribunal e Instrução Criminal do Porto tinham já em sua posse "40 mil euros, em notas de 500".

A informação foi avançada esta noite, em conferência de imprensa, pela Polícia de Segurança Pública, para quem esse facto indicia que os três homens estavam a preparar-se para fugir do País.

De acordo com Alexandre Coimbra, diretor de relações públicas da PSP, as imagens dos três evadidos difundidas desde quinta-feira à noite pela comunicação social "foram fundamentais" para a captura dos arguidos, a quem tinha sido decretada prisão preventiva por um juiz de instrução do TIC do Porto antes da fuga que protagonizaram.

"Essa divulgação levou a que muitos cidadãos nos fornecessem um grande números de pistas e informações válidas" para o sucesso desta operação, na qual participaram uma equipa da divisão de investigação criminal da PSP e uma força destacada da unidade especial da polícia.

Segundo avança o jornal Público, a namorada de um dos três homens em fuga - a mesma que os terá ajudado a fugir na véspera, roubando as chaves da cela - foi quem disse à polícia o local onde eles se escondiam. Grávida, a mulher estaria preocupada com o que poderia acontecer ao pai da criança durante a operação policial, depois de a polícia ter difundido as imagens dos fugitivos e alertado a população, em comunicado, para o facto de eles serem "perigosos" e estarem "eventualmente armados".

De acordo com a PSP, esta operação mobilizou "várias dezenas" de agentes, mas os arguidos "não tinham armamento na sua posse" quando foram detidos no parque de campismo em Gondomar. "Conseguimos restabelecer assim a segurança na área do Grande Porto, que era a nossa prioridade nesta operação", acrescentou Alexandre Coimbra, em conferência realizada na sede da Direção Nacional da PSP, em Lisboa.

Inquérito interno para apurar responsabilidades

O diretor de relações públicas da PSP disse ainda que neste momento está a decorrer "um inquérito interno para apurar responsabilidades" sobre a fuga que os três elementos encetaram nas instalações do TIC, de onde saltaram de um segundo andar para a rua, depois de lhes ter sido decretada a prisão preventiva, na quinta-feira.

Os arguidos, que já foram entretanto levados para o estabelecimento prisional de Custóias, são dois irmãos gémeos de 35 anos - Manuel e Fernando Santos -, mais um cúmplice, na casa dos 20, todos com antecedentes criminais, que tinham sido presentes ao juiz de instrução depois de terem sido detidos em flagrante delito na terça-feira em Baguim do Monte, concelho de Gondomar.

São-lhes imputados pelo menos 30 assaltos violentos, que terão rendido meio milhão de euros em dinheiro e bens, em residências de idosos na zona mais oriental do Porto e em concelhos periféricos, como Gondomar, Valongo ou Maia. Os alvos do grupo eram pessoas com idades entre os 65 e os 95 anos.

Agora, serão julgados também por evasão.

Ordem dos Advogados quer esclarecimentos

Na sequência do alarme público causado pela fuga destes três indivíduos, o presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados, António Jaime Martins, solicitou esclarecimentos urgentes aos responsáveis das entidades competentes diretamente envolvidas.

Os esclarecimentos pedidos visam clarificar sobre "as falhas que permitiram a ocorrência desta fuga", "as medidas adotadas para apuramento integral de responsabilidades" e "as medidas adotadas para evitar que situações similares ocorram".

"A fuga ocorrida nas instalações do TIC do Porto constitui uma falha de segurança de extrema gravidade e, consequentemente, deverá ser assegurado o apuramento integral de responsabilidades", sublinha a nota de imprensa enviada.

A missiva de António Jaime Martins foi dirigida, com carácter de urgência, ao Diretor-Geral da Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, ao Procurador da República e ao Diretor-Geral da Direção Geral da Administração da Justiça, com conhecimento dado ao gabinete da Ministra da Justiça e da Secretária de Estado Adjunta e da Justiça.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.