Força Aérea suspende voos com drones após aterragem forçada

O aparelho não tripulado caiu na freguesia do Torrão, Alcácer do Sal. Causas do acidente estão a ser investigadas. Força Aérea tinha seis dos 12 drones previstos a trabalhar. Agora param todos.

Um 'drone' da Força Aérea Portuguesa (FAP) alocado à Base Aérea de Beja caiu este sábado (5 de setembro) na freguesia do Torrão, concelho de Alcácer do Sal, no distrito de Setúbal. As operações com drones estão suspensas, pelo que as missões de vigilância aérea serão realizadas por aeronaves tripuladas.

Ao DN, o tenente-coronel Manuel Costa confirmou a recuperação do aparelho decorrente da "aterragem forçada" e que as causas do acidente iriam ser apuradas.

Mais tarde, através de comunicado, a Força Aérea informou que o drone descolou às 11:10 da Base Aérea N.º 11, em Beja, "numa missão de vigilância aérea na zona sul do país" e "realizou uma aterragem forçada na zona do Torrão pelas 11h40". "A aeronave foi dirigida para uma área isolada, não colocando em risco população ou habitações", prossegue.

"As causas do acidente já estão sob investigação do Gabinete de Prevenção de Acidentes da Força Aérea. Até à sua conclusão, as operações com este tipo de aeronaves estão suspensas nas outras Bases de Operação (Lousã e Mirandela)", lê-se ainda no comunicado.

A Força Aérea adiantou que enquanto as investigações prosseguirem as missões de vigilância aérea e deteção de fogos serão realizadas por aeronaves tripuladas.

A queda da aeronave deu-se junto à barragem de Trigo Morais, na freguesia do Torrão, precisou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal à Lusa, referindo que não há registo de feridos ou danos materiais provocados pelo acidente.

A fonte do CDOS disse desconhecer que tipo de serviço estava a ser feito pelo 'drone', referindo apenas que estava alocado à Base Aérea n.º 11, de Beja, e remeteu mais informações para a FAP.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG