Estudante de Gondomar oferece ajuda a idosos nas compras. E não é o único

Vizinhos estão a oferecer-se para ajudar os mais idosos durante o período de quarentena.

Um estudante universitário de Gondomar disponibilizou-se para fazer as compras de supermercado, gratuitamente, a quem necessitar durante o período de quarentena provocada pela covid-19 depois de se ter colocado "no lugar da avó, octogenária, e constatado as dificuldades".

Francisco Teixeira tem 20 anos, frequenta o terceiro ano da licenciatura de Gestão de Marketing no Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM) do Porto e, relatou à agência Lusa, apesar de remetido a "quarentena obrigatória" quer ajudar as pessoas mais necessitadas.

"Meti-me no lugar da minha avó, que é octogenária, vive sozinha e, como tantos outros, precisa que a ajudem e pensei que o poderia fazer, sem problema nenhum", contou o jovem residente em Baguim do Monte, no concelho de Gondomar.

O passo seguinte, disse, foi na sexta-feira à noite colocar um anúncio nas redes sociais Facebook e Instagram com a seguinte mensagem: "Disponibilizo-me gratuitamente a ir ao supermercado e entregar em casa bens essenciais durante o período de quarentena a todos aqueles que não tenham essa possibilidade", texto depois afixado "à porta do prédio" onde reside e onde "também habitam pessoas idosas".

"É também meu objetivo que isto possa ter um efeito catalisador e que mais pessoas o façam, pois há muitas pessoas a precisar de ajuda e nós podemos fazê-lo", disse.

Não é caso único

O caso de Francisco Teixeira não é único. O humorista Luís Filipe Borges partilhou no Instagram a mensagem que uma vizinha, Inês, colou à entrada do prédio.

"Tendo em conta a situação complicada que todos vivemos, aos vizinhos que, pela idade, ou complicações de saúde, estejam neste momento com receio de se deslocarem à rua, disponibilizo-me para ajudar com coisas simples como ir ao supermercado ou à farmácia, ou outra necessidade que considerem mesmo importante", escreveu na nota. "Ninguém é uma ilha", acrescentou.

No Facebook, Bruno Freitas partilhou a mesma informação que colocou no seu prédio, sendo que já foi partilhada mais de 1300 vezes.

Marta Cerqueira partilhou também no grupo de Vizinhos do Areeiro, no Facebook, o aviso que afixou no seu prédio, com várias pessoas a comentar que iriam seguir o seu exemplo.

E o movimento parece estar a estender-se através das redes sociais.

Na Beira Interior, uma empresa de divulgação turística e cultural está a aproveitar a sua plataforma digital para criar uma rede de prestação de serviços gratuitos, na Beira Interior, durante o período de isolamento social para conter a pandemia da Covid-19.

A'start-up' Aqui Há Beira!, com sede no Fundão, distrito de Castelo Branco, tem como alvo da iniciativa a população de risco e pretende aviar recados urgentes, como a ida às compras ou à farmácia, mas está a encontrar forma de também dar resposta a pais, nomeadamente famílias monoparentais, que não tenham com quem deixar os filhos durante algumas horas.

Elisa Bogalheiro, diretora da empresa e uma das mentoras da ideia, disse à agência Lusa que num dia foram contactadas por dez voluntários, da Covilhã e Fundão, a disponibilizarem-se para ajudar numa região do país onde "existe uma elevada taxa de envelhecimento da população".

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) atualizou este sábado o número de casos de pessoas infetadas no país para 169.

atualizado às 18.30

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG