Este fim de semana há touros de morte em Monsaraz

Legislação em vigor desde 2002 permite regimes de exceção de touros de morte

A vila alentejana de Monsaraz, no concelho de Reguengos de Monsaraz, cumpre esta semana a sua tradição centenária de matar um touro na arena depois de uma novilhada popular. O espetáculo integrado nas festas em honra de Nosso Senhor Jesus dos Passos rege-se pela mesma exceção que Barrancos.

A Inspeção Geral das Atividades Culturais (IGAC) autorizou o espetáculo com touro de morte na vila num despacho a 27 de agosto, segundo o presidente da Santa Casa da Misericórdia de Monsaraz, António Cardoso, responsável pela festa. Este é o procedimento habitual​​​​​​ ​desde 2014, altura em que o Tribunal Administrativo de Beja reconheceu o evento como uma tradição. Até então, a população cumpria o ritual de forma ilegal durante a festa que se realiza anualmente no segundo fim de semana de setembro.

"Na sequência da tradicional vacada é morto o ultimo touro em praça, de forma ininterrupta há mais de um século, como expressão da cultura popular montessarense", conta António Cardoso.

O espetáculo acontece na arena da antiga praça de armas do Castelo de Monsaraz.

Segundo António Cardoso, esta tradição acontece ininterruptamente desde 1929. Inicialmente, o touro era oferecido por um proprietário com posses da região e depois de morto a carne era oferecida aos habitantes. Esta era uma das únicas oportunidades que tinham para comer carne durante o ano, explicou ao DN o assessor da câmara municipal de Monsaraz, Carlos Barão.

A história bem como os testemunhos de populares estão reunidos no processo que a câmara municipal levou ao tribunal de Beja para pedir o regime de exceção atribuído a Barrancos em 2002. A legislação em vigor há 16 anos prevê a autorização de exceções para "atender tradições locais que se tenham mantido, de forma ininterrupta, pelo menos, nos 50 anos anteriores à entrada em vigor do diploma, como expressão de cultura popular, nos dias em que o evento histórico se realize" (lei n.º 92/95 artigo 3.º, n.º 4).

Este ano as festas de Nosso Senhor Jesus dos Passos acontecem entre seis e dez de setembro. A carne do animal já não é distribuída durante a festa, como outrora, mas depois de passar pela inspeção veterinária será doada a instituições de solidariedade social.

O DN entrou em contacto com o Ministério da Cultura, responsável pela IGAC, para obter informações sobre autorização concedida, mas até ao momento não obteve resposta.

Exclusivos