Dez infetados num surto ligado a equipamento de saúde em Sintra

Município diz que as autoridades de saúde consideram que a situação "está controlada".

Há dez pessoas infetadas na Idanha (concelho de Sintra), um surto que está ligado a um equipamento de saúde local, que presta cuidados sobretudo em saúde mental e psiquiatria.

Foi o presidente da câmara, Basílio Horta, a dar conta desta situação. Num vídeo publicado no Facebook, o autarca fala num "surto" de coronavírus na Idanha, dizendo que "há mais oito infetados", além de "dois" que já estavam. O autarca acrescenta que "estão em causa cerca de 1000 pessoas" - de acordo com a assessoria do município trata-se do número de pessoas que frequenta a casa de saúde, entre funcionários e utentes.

A mesma fonte acrescenta que as autoridades de saúde disseram à autarquia que a situação "está controlada". Não se sabe se as pessoas infetadas são utentes ou funcionários, nem se estas pessoas estão hospitalizadas. "Não temos essa informação. O que sabemos é que esta cadeia [de transmissão do coronavírus] tem a ver com a Casa da Saúde da Idanha", acrescenta o assessor da Câmara de Sintra, acrescentando que o espaço foi, entretanto, alvo de uma limpeza para desinfeção.

O equipamento em causa, que pertence à Congregação das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus, tem "uma lotação de 525 camas divididas em 17 unidades de internamento, 4 residências internas e 4 residências comunitárias de apoio moderado".

À agência Lusa, Basílio Horta adiantou que em Sintra há "20 casos [confirmados de Covid-19], dos quais dez estão neste lar" - "que estava já a ser monitorizado pela Câmara, com as entidades de saúde".A Casa da Saúde da Idanha tem pessoas em internamento e a receber cuidados, mas não se trata de um lar de idosos.

O autarca explicou que foram primeiro detetados dois casos suspeitos e "assim que se soube que era oficial, imediatamente se fez análises aos utentes todos e aos trabalhadores". "Logo que soubemos que havia duas pessoas infetadas, fizemos uma desinfestação total. Neste momento, a situação está controlada e estamos a acompanhá-la", referiu.

Mas o número de casos positivos, disse Basílio Horta, poderá aumentar, dado que "há várias análises ainda a decorrer". Este é, aliás, um motivo de preocupação para a autarquia - "é que os resultados das análises vêm com alguns dias de atraso".

Por isso, a Câmara de Sintra irá "abrir três centros de acolhimento e de análise": "o primeiro abre já para a semana no novo centro de saúde, em Agualva - é o primeiro centro de saúde onde se vai fazer simultaneamente a avaliação e a análise, e o resultado da análise é sabido no mesmo dia - e os outros dois centros abrem imediatamente a seguir, mas só abrem quando as entidades de saúde entenderem que todas as condições de segurança estão garantidas".

[Atualizado com as declarações de Basílio Horta]

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG