Detetadas fraudes nas refeições dos bombeiros

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) detetou milhares de refeições para os bombeiros cobradas à Proteção Civil muito superiores ao número de operacionais no terreno, no âmbito de uma averiguação aos fogos de Mação.

A Inspeção-Geral da Administração Interna fala em "contornos criminais" no seu relatório aos fogos de Mação. Isto porque detetou várias irregularidades com as refeições para os bombeiros cobradas à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC). Num só dia foram cobrados 2755 pequenos-almoços para 743 bombeiros que estavam então no terreno.

As irregularidades, que o IGAI entende que devem ser investigadas pelo Ministério Público, foram detetadas durante a investigação aos incêndios de Mação, entre os dias 23 e 27 de julho de 2017. Aquele organismo refere mesmo que este comportamento pode ter ocorrido em "todas as situações de incêndios florestais".

"A falta de conferência e verificação dos pedidos de ressarcimento de refeições dirigido à ANPC pelas corporações de bombeiros, com os dados na posse daquela entidade, aponta para um comportamento padronizado em todas as ocorrências de incêndios florestais, que cumpre ser devidamente analisado em sede de processo de auditoria e/ou inquérito", diz o relatório da investigação.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG