Crise de combustíveis. Diretores de todas as Polícias chamados de urgência pela Segurança Interna

A secretária-geral do Sistema de Segurança Interna (SSI) convocou todas as entidades que integram do Gabinete Coordenador de Segurança para uma reunião às 18:00 desta quarta-feira

Analisar a crise criada com a falta de combustíveis, provocada pela greve dos motoristas de matérias perigosas, e avaliar medidas a tomar para prevenir potenciais conflitos populares, são os principais objetivos da reunião de emergência do Gabinete Coordenador de Segurança (GCS), marcada para às 18:00 desta quarta-feira, convocada pela secretária-geral do Sistema de Segurança Interna (SSI), organismo tutelado pelo primeiro-ministro, soube o DN de fonte que está a acompanhar o processo.

O GCS integra todas as forças e serviços de segurança (GNR, PSP, PJ e SEF) e os serviços de informações (SIS e SIED) e a convocatória aos diretores e chefes máximos foi feita ao início da tarde desta quarta-feira. É o órgão especializado de assessoria e consulta para a coordenação técnica e operacional da atividade das forças e dos serviços de segurança.

De acordo com o que está descrito na Lei de Segurança Interna, o GCS é presidido pelo secretário-geral do SSI - cargo atualmente ocupado pela procuradora Helena Fazenda, que vai liderar a reunião desta tarde.

O GCS reúne normalmente uma vez de três em três meses ou "extraordinariamente" sempre que "o presidente o convoque, por sua iniciativa ou a pedido de qualquer dos seus membros". O Gabinete dispõe de uma sala de situação "para acompanhar situações de grave ameaça à segurança interna".

A greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, que começou às 00:00 de segunda-feira, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica.

Após a requisição civil, os militares da GNR mantiveram-se de prevenção em vários pontos do país para que os camiões com combustível pudessem abastecer e sair dos parques sem afetarem a circulação rodoviária.

Gerou-se a corrida aos postos de abastecimento de combustíveis, onde, em muitos casos, já não há gasóleo.

No final da tarde de terça-feira, o Governo declarou a "situação de alerta" devido à greve, avançando com medidas excecionais para garantir os abastecimentos e, numa reunião durante a noite com a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, foram definidos os serviços mínimos.

Vão ser retomadas esta quarta-feira as negociações entre o governo, a ANTRAM e o Sindicato

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.