Conselhos para ir ao supermercado em segurança em tempos de pandemia

Especialista em segurança alimentar aponta regras a cumprir na ida aos supermercados.

Ir ao supermercado ou à farmácia são duas das poucas razões que levam os portugueses à rua, por estes dias. Mas, sobretudo em relação às compras de bens alimentares, há algumas regras que devem ser seguidas para evitar os riscos de contágio. Uma especialista em segurança alimentar elencou várias dessas regras para o El Comidista, o blogue do jornal El País dedicado à comida.

Algumas são regras de bom senso em tempos de pandemia, e boa parte delas medidas de cuidados gerais que se devem aplicar em qualquer circunstância. Como levar apenas aquilo de que necessita para um determinado período de tempo, sob pena de estar a comprar bens alimentares que vão acabar no lixo.

A primeira regra apontada pelo El País é de bom senso: se tem sintomas de doença (de Covid-19 ou de qualquer outra) não vá às compras, peça a um familiar ou amigo que o faça e lhe deixe as coisas à porta.

Na ida ao supermercado, respeite sempre a distância para as outras pessoas, também quando espera à porta a sua vez para entrar.

Leve os seus próprios sacos ou um carrinho de compras e evite utilizar os cestos e carros dos supermercados. Se tiver de o fazer use um papel com desinfetante para as pegas. Esta especialista em segurança alimentar aconselha a que se usem luvas para pegar nas frutas e vegetais e, claro, não se deve tossir se não para um lenço ou para a parte interior do cotovelo e não se deve falar em cima dos alimentos.

Levar uma lista é importante para não cair na tentação de levar coisas de que, na verdade, não precisa. Também ajuda a que seja mais rápido.

Para ir menos vezes às compras sem acabar com o consumo de frescos em casa - a quarentena não é desculpa para comer mal - o ideal é optar pelos que duram mais: couves, cenouras, alho francês, ou laranjas, maçãs ou peras, no caso da fruta. Os mais perecíveis devem ser consumidos em primeiro lugar.

Um momento importante da ida às compras é o pagamento, altura em que deve manter-se a mesma regra da distância, não só em relação aos outros clientes, mas também aos funcionários. Tente não pagar com dinheiro, dado que o manuseamento frequente transforma moedas e notas em veículos portadores de microorganismos. O melhor será usar o cartão, mas o ideal será usar o telemóvel para efetuar o pagamento.

De regresso a casa, o El Comidista diz que os alimentos devem ser colocados numa superfície limpa e desinfetada. As frutas e verduras devem ser lavadas com água - a que se pode acrescentar um desinfetante -, os alimentos para congelar devem ser postos rapidamente no congelador. O saco que foi usado para fazer as compras deve ser lavado a 60 graus.

Pelo meio, há que ter em atenção as mãos na cara, tentando nunca tocar no rosto. Ao chegar a casa deve lavar bem as mãos, tal como deve fazê-lo antes, durante e depois a confeção dos alimentos.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG