Prisa vai avançar contra Cofina por desistir da compra da TVI

A Cofina desistiu de comprar a TVI após falhar a operação de aumento de capital, comunicou esta quarta-feira a dona do Correio da Manhã, Record e revista Sábado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Grupo espanhol Prisa diz que vai iniciar ações contra a dona do Correio da Manhã

Num comunicado divulgado horas depois de a Cofina comunicar ao mercado ter desistido de comprar a dona da TVI, após falhar a operação de aumento de capital que financiaria o negócio, a Prisa diz não ter recebido qualquer comunicação prévia por parte do grupo de Paulo Fernandes.

"A sociedade iniciará a partir deste momento todas as ações contra a Cofina previstas no contrato de compra e venda", indica a Prisa num comunicado enviado ao regulador espanhol do mercado de capitais.

"De acordo com declarações da Cofina no acordo de compra e comunicadas ao mercado, a Cofina tinha assegurados os compromissos necessários para financiar a transação, quer por parte de instituições de crédito, quer por parte dos seus significativos acionistas, no montante necessário para cobrir o aumento de capital", lê-se no comunicado do maior conglomerado espanhol de empresas de comunicação social.

Segundo sustenta a Prisa, "a concretização do acordo de compra e venda estava apenas pendente da condição prévia de inscrição na Conservatória de Registo Comercial do aumento de capital aprovado pela Cofina para financiar parcialmente o negócio".

A Cofina, dona do Correio da Manhã, Record e revista Sábado, comunicou esta quarta-feira ao mercado ter desistido de comprar a TVI após falhar a operação de aumento de capital.

A operação de oferta pública que permitiria o aumento de capital da Cofina no montante de 85 milhões de euros (de 25,6 milhões para 110,6 milhões de euros) para financiamento da compra da TVI terminava neste dia.

Contudo, face à "deterioração das condições de mercado" e "não tendo sido verificada a condição de subscrição integral do aumento de capital, a oferta ficou sem efeito", pode ler-se no comunicado da Cofina.

Assim, concluiu, "não se encontram reunidas as condições de que depende a conclusão do negócio de compra e venda das ações da Vertix (e indiretamente da Media Capital)", segundo a mesma informação divulgada pela CMVM.

A oferta abrangia a subscrição reservada a acionistas no exercício do direito de preferência e demais investidores que adquiram direitos de subscrição, através da emissão de 188.888.889 novas ações ordinárias, escriturais e nominativas, sem valor nominal.

O preço de subscrição tinha sido fixado em 0,45 euros por cada nova ação, que correspondia ao respetivo valor de emissão.

Os acionistas da Cofina tinham aprovado no final de janeiro o aumento de capital até 85 milhões de euros para financiar a compra da TVI.

Na mesma altura, os acionistas da Prisa aprovaram a venda da Vertix, que detém a maioria da Media Capital, à Cofina, em assembleia-geral extraordinária, em Madrid.

Isto depois de, em 30 de dezembro, a Autoridade da Concorrência (AdC) ter anunciado a sua não oposição à compra da Media Capital pela Cofina, que era uma das condições da dona do Correio da Manhã para o sucesso da oferta.

No anúncio preliminar de lançamento da oferta pública de aquisição (OPA), a Cofina fez depender o sucesso da operação de um conjunto de condições prévias, entre as quais a não oposição por parte da AdC, a autorização da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), a aprovação, pela assembleia-geral da espanhola Prisa, da transação, bem como a aprovação e execução de um ou mais aumentos de capital social da dona do Correio da Manhã para financiar a compra da Media Capital.

O grupo Cofina detém, além do Correio da Manhã e do Record, a CM TV, o Jornal de Negócios, a revista Sábado, entre outros títulos.

Por sua vez, a Media Capital conta com seis canais de televisão e a plataforma digital TVI Player. Além da TVI, canal generalista em sinal aberto, conta com a TVI24, TVI Reality, TVI Ficção, TVI Internacional e TVI África. A Media Capital tem também rádios, nas quais se inclui a Comercial.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG