Chefe da PSP morre em serviço ao ser colhido por empilhadora

Estava a trabalhar nas oficinas de Alfragide - Departamento de Logística da Direção Nacional quando foi colhido por uma empilhadora.

Um polícia morreu esta segunda-feira vítima de acidente de trabalho, nas oficinas da PSP em Alfragide, no concelho da Amadora, após ter sido colhido por uma empilhadora, indicou a Polícia de Segurança Pública.

Em comunicado, a direção nacional da PSP refere que o polícia, um chefe principal de 58 anos, morreu esta segunda-feira às 14:08 nas oficinas de Alfragide - Departamento de Logística da Direção Nacional, quando estava a trabalhar e foi colhido por uma manobra de uma empilhadora.

A PSP adianta que foram acionados para o local os bombeiros e, posteriormente, uma ambulância do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e, apesar de todos os esforços médicos e manobras de reanimação, o polícia morreu no local.

A PSP sublinha que a direção nacional determinou a presença de uma equipa de investigação criminal para recolha de todas as provas necessárias ao inquérito e, paralelamente, foi ordenada a abertura de uma averiguação interna para determinar as circunstâncias do acidente.

A Polícia indica também que o acidente foi comunicado a todas as autoridades competentes, designadamente ao Ministério Público e Autoridade para as Condições do Trabalho.

A PSP frisa ainda que foi acionada uma equipa de psicólogos da PSP para apoio no local, bem como aos familiares da vítima.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.