Centros comerciais vão manter abertos apenas serviços essenciais

Além dos supermercados, as lavandarias, lojas de venda de flores, plantas, sementes e fertilizantes, drogarias, lojas de ferragens e de venda de material de bricolage, lojas de venda e reparação de eletrodomésticos, equipamento informático e de comunicações, também podem continuar abertas.

Os centros comerciais estão preparados para cumprir as regras do Governo após declaração do estado de emergência devido à covid-19 e manter abertos os hipermercados, farmácias e outros serviços essenciais, assegurou este sábado a associação do setor.

Em comunicado, Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC) refere que os seus associados estão preparados "para cumprir, a partir das 00:00 deste domingo, as novas medidas decretadas pelo Governo, ajustando a sua operação" para manter em funcionamento serviços como hipermercados, farmácias, papelarias, lojas de jornais e tabaco, eletrónica e produtos alimentares.

Entre os serviços considerados prioritários, contam-se todas as lojas e superfícies relacionadas com a alimentação, entre supermercados, hipermercados, padarias e estabelecimentos de restauração e bebidas, mas sem consumo nos centros, apenas para 'take away' ou entrega ao domicílio, enumera a APCC.

Todos os estabelecimentos que forneçam serviços médicos, de produtos médicos e ortopédicos, de produtos cosméticos e de higiene, de produtos naturais e dietéticos, farmácias, parafarmácias e oculistas poderão, igualmente, manter-se abertos.

Em funcionamento podem manter-se, igualmente, as lojas de serviços postais, de jogos sociais, papelarias e tabacarias, assim como clínicas veterinárias, estabelecimentos de venda de animais de companhia e respetivos alimentos.

As lavandarias, lojas de venda de flores, plantas, sementes e fertilizantes, drogarias, lojas de ferragens e de venda de material de bricolage, lojas de venda e reparação de eletrodomésticos, equipamento informático e de comunicações, também podem continuar abertas.

O mesmo se passa com os estabelecimentos de manutenção e reparação de veículos automóveis e motociclos, de tratores e máquinas agrícolas, bem como venda de peças e acessórios e serviços de reboque.

Os serviços bancários, financeiros e de seguros também podem manter-se em funcionamento nos centros comerciais.

"Os centros comerciais continuarão a assegurar o cumprimento de todas as medidas de higiene e segurança recomendadas pelas autoridades", lê-se na nota da associação, que aponta como prioridade "garantir a segurança de visitantes, lojistas, colaboradores e fornecedores".

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira, depois de a Assembleia da República ter aprovado na quarta-feira o decreto que lhe foi submetido pelo Presidente da República, com o objetivo de combater a pandemia da covid-19, após a proposta ter recebido pareceres favoráveis do Conselho de Estado e do Governo.

O estado de emergência proposto pelo Presidente prolonga-se até às 23:59 de 02 de abril.

Portugal elevou hoje para 12 o número de mortes associadas ao vírus da covid-19, o dobro face a sexta-feira, segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS), que regista 1.280 casos confirmados de infeção.

Segundo a DGS, há 156 doentes internados, 35 dos quais em cuidados intensivos. A grande maioria (1.124) está a recuperar em casa.

O novo coronavírus já causou pelo menos 11.401 mortos em todo o mundo e foram detetados mais de 271.660 casos de infeção em 164 países e territórios.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG