Mais casamentos e menos divórcios em Portugal

O número de casamentos em Portugal aumentou 3,8% em 2017 face ao ano anterior e o número de divórcios diminuiu 3,4%

De acordo com as estatísticas demográficas, hoje divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2017 realizaram-se em Portugal 33 634 casamentos, dos quais 523 entre pessoas do mesmo sexo.

O número total de casamentos aumentou 1 235 relativamente a 2016 que teve um total de 32 399 matrimónios celebrados, em resultado do acréscimo da nupcialidade quer entre pessoas do sexo oposto (mais 1 134 casamento) quer entre pessoas do mesmo sexo (mais 101).

O valor da taxa bruta de nupcialidade aumentou para 3,3 casamentos por mil habitantes (3,1 em 2016).

Segundo as estatísticas, o adiamento da idade do casamento é uma tendência que se tem mantido ao longo das últimas décadas e para ambos os sexos. A idade média do primeiro casamento em 2017 situou-se em 33,2 anos para os homens e 31,6 anos para as mulheres, o que compara com 32,8 anos e 31,3 anos, respetivamente, em 2016.

Relativamente aos divórcios, as estatísticas demográficas do INE indicam que em 2017 foram decretadas 21.930 dissoluções de casamentos, menos 719 do que em 2016. Ainda segundo o INE, 21 577 divórcios dizem respeito a casais residentes em território nacional (22 340 em 2016) e 353 (309 em 2016) a residentes no estrangeiro.

O aumento do número de divórcios de casais residentes em território nacional, que se vinha a verificar desde 2006, foi interrompido a partir de 2011, passando a uma diminuição em 2014. Em 2015, de acordo com o INE, registou um aumento, para voltar a descer e 2016 e 2017. A maior redução foi verificada em 2013, com menos 2 855 divórcios decretados em relação ao ano anterior e em 2017 o decréscimo foi de 763.

A idade média para o divórcio foi de 45,6 anos para ambos os sexos, superior à verificada no ano anterior, que se situou nos 44,9 anos. As mulheres divorciaram-se em média aos 44,5 anos e os homens aos 46,7 anos.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.