Carteiristas tentaram assaltar mulher agente da PSP no Martim Moniz

Dois carteiristas procuraram furtaram telemóvel a agente da Polícia de Segurança Pública (PSP) a 10 de dezembro no interior da estação de metro do Martim Moniz

Dois carteiristas, com 23 e 29 anos de idade, tentaram assaltar uma agente da Polícia de Segurança Pública (PSP) no dia 10 de dezembro, no interior da estação de metro do Martim Moniz, em Lisboa.

De acordo com um comunicado de imprensa da Divisão de Investigação Criminal do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, "a agente deslocava-se para o seu local de trabalho, quando no interior da estação do Metropolitano do Martim Moniz foi surpreendida por dois carteiristas que a tentaram assaltar".

"Enquanto um deles sob falso pretexto de ajudar a transportar as malas distraiu a Agente da PSP, o segundo retirou-lhe o telemóvel do bolso do casaco. Apercebendo-se deste crime contra si cometido, prontamente intercetou o carteirista com o seu telemóvel sendo que o segundo encetou fuga. Telefonicamente contactou com os polícias da PSP que se dedicam ao combate de carteiristas que, poucos minutos depois, intercetaram o suspeito em fuga", refere a nota da PSP.

De acordo com o mesmo documento, os dois detidos estão "sobejamente conotados com este crime", tendo sido "detidos e indicados em mais de 15 situações idênticas nos últimos meses" e "tendo ambos penas de prisão suspensas".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.