"Feira das lambarices" ganha orçamento participativo, à frente de ativismo pró e contra touradas

Uma feira de doçaria foi o projeto nacional vencedor do Orçamento Participativo de Portugal (OPP) de 2018, com os segundo e terceiro lugares a oporem a luta pró e contra as touradas, foi esta quinta-feira divulgado em Lisboa.

A "feira das lambarices" propõe-se ser um "mega evento cultural" para promover a doçaria nacional, ao longo de três dias, na aldeia de Vale Domingos, concelho de Águeda, e foi o projeto mais votado pelo OPP, que permite aos cidadãos decidir que projetos querem que o Governo financie até ao montante de cinco milhões de euros.

Com um orçamento de 250 mil euros, a "feira das lambarices" conseguiu ultrapassar os projetos de ativismo anti e pró touradas que venceram, respetivamente, o segundo e terceiro lugares: "Portugal sem touradas", com um orçamento de 200 mil euros, e "Tauromaquia para todos", com 50 mil euros, de acordo com informações do sítio da internet do OPP.

Os vencedores do OPP para 2019, que distinguiram também cerca de 20 projetos regionais, foram hoje anunciados no Palácio Foz, em Lisboa, numa cerimónia que reuniu além das responsáveis por esta pasta, a ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, e a secretária de Estado da Modernização Administrativa, Graça Fonseca, o ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, e diversos secretários de Estado de áreas abrangidas pelos projetos.

Tanto o projeto a favor como o projeto contra as touradas foram definidos à Lusa essencialmente como um conjunto de ações informativas junto da população.

Nuno Alvim, do projeto "Portugal sem touradas", explicou que a ideia é "dotar de informação o público em geral, para que pensem de uma forma mais crítica as touradas".

"A sociedade aparenta estar fraturada sobre esta matéria, hoje mais uma vez ficou um pouco evidente isso, mas acreditamos que a maior parte das pessoas são, na verdade, neutras, e que colocando-as na posse da informação poderão ter uma posição crítica sobre a matéria e tomar uma decisão no sentido de uma maior evolução civilizacional", afirmou.

No mesmo sentido, embora defendendo a ideia contrária, Afonso Farto, do "Tauromaquia para todos", afirmou que o objetivo é "levar a tauromaquia a mais pessoas, com base nos mais jovens, através da educação, mostrando os valores da tauromaquia".

"A tauromaquia está legislada, faz parte da cultura do nosso país e da nossa identidade. O objetivo é levá-la a quem não conhece e a quem conhece, que queira perceber mais", disse, referindo que "a seu tempo" serão apresentadas as medidas do projeto, que não quis especificar.

Em 2018 estiveram a votação 691 projetos relativos a todas as áreas governativas, quando no ano anterior tinham estado 600 propostas relativas a quatro áreas governativas (Cultura, Agricultura, Ciência e Formação de Adultos).

Este ano foram registados 119.703 votos, que representaram um aumento de 50% face a 2017, ano em que os votos foram 79 mil.

Este ano, a fase de apresentação de propostas arrancou a 23 de janeiro e decorreu até 24 de abril e a fase de votação arrancou a 11 de junho e terminou a 30 de setembro.

Em 2018, os cidadãos puderam pela primeira vez apresentar propostas relativas a todas as áreas governativas.

De acordo com o Governo, em 2017 mais de 2.000 pessoas participaram nos 50 encontros participativos realizados em todo o país, estiveram em votação 600 propostas apresentadas por cidadãos e foram escolhidas 38.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.