Algarve propõe quarto a 20 euros/dia a médico que se candidata para trabalhar no verão

O Centro Hospitalar do Algarve apenas deu a possibilidade de alojamento num quarto, pago a 20 euros/dia, a um anestesista que se candidatou a trabalhar na região no verão para suprir as necessidades de reforço de pessoal.

"Por solicitação do serviço de anestesiologia se informa que o CHUA [Centro Hospitalar Universitário do Algarve] dispõe de alojamentos em Lagos e Faro. Nenhum dos locais, neste momento, dispõe de apartamentos. Só dispõe de quartos. O uso do quarto dá direito a uso de sala e cozinha (...) O preço é de 20 euros diários", refere uma mensagem enviada a um anestesista, que se queixou da situação à Ordem dos Médicos, segundo uma mensagem escrita a que a agência Lusa teve acesso.

O Ministério da Saúde anunciou em junho que a Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve iria proporcionar "alojamento gratuito temporário para os médicos", anúncio feito no momento em que abriram candidaturas para clínicos que quisessem trabalhar na região durante o verão.

Aliás, no próprio despacho assinado pela ministra da Saúde é estabelecido que a "ARS Algarve diligencia no sentido de proporcionar alojamento gratuito temporário para os médicos, de acordo com as disponibilidades locais".

Contactado pela agência Lusa, o bastonário dos Médicos confirmou ter recebido a queixa de um anestesista e entende que se trata de "uma situação inaceitável", que demonstra um "anúncio falacioso" por parte do Ministério da Saúde. "Trata-se, infelizmente, de um bom exemplo do que é a política de incentivos que está a ser criada", afirmou Miguel Guimarães.

O bastonário referiu ainda que a anestesia é, ainda por cima, uma "especialidade crítica" para os hospitais do Algarve e que é essencial para o funcionamento dos blocos operatórios.

Em junho, o Ministério da Saúde anunciou que seriam abertas candidaturas para médicos "com disponibilidade para desempenhar funções na Região do Algarve durante o período de verão de 2019, num modelo excecional de mobilidade temporária de pessoal médico que visa reforçar os cuidados de saúde" na região.

"Com esta medida, o Ministério da Saúde pretende reforçar, durante o período estival de 2019, a assistência médica da região do Algarve, sem comprometer o regular e normal funcionamento dos demais serviços e estabelecimentos de saúde", referia o Ministério.

A Lusa pediu esclarecimentos ao CHUA e aguarda por uma resposta.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.