Fogo em Tomar levou a evacuação da aldeia de Agroal

Retirada de pessoas da praia fluvial de Agroal foi medida de precaução. Incêndio começa a ceder aos mais de 400 operacionais e seis meios aéreos, mas ainda tem uma frente ativa

O incêndio em Vale Meão, freguesia da Sabacheira, Tomar, continua com uma frente ativa, mas começa a ceder aos meios no terreno, estando a ser combatido por 419 operacionais, 115 viaturas e seis meios aéreos, informou fonte dos bombeiros.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, há ainda meios a chegar ao terreno e o combate ao incêndio, que deflagrou às 15:36, "está a correr favoravelmente, apesar do aumento do vento".

A meio da tarde, a proteção civil decidiu evacuar a aldeia de Agroal (Ourém) "por precaução". A fonte afirmou que as pessoas que se encontravam na praia fluvial do Agroal, no concelho de Ourém (igualmente no distrito de Santarém), saíram de forma ordeira do local, seguindo as recomendações da proteção civil.

O presidente da Câmara de Ourém, Luís Albuquerque, disse à Lusa que o local nunca esteve em risco, uma vez que o incêndio lavra no sentido de Tomar, a "mais de dois quilómetros de distância", tendo as pessoas sido aconselhadas a sair apenas por precaução.

O comandante de serviço no CDOS de Santarém afirmou que não existe qualquer habitação nas proximidades do incêndio.

A presidente da Câmara de Tomar, Anabela Freitas, disse à Lusa que o incêndio lavra numa zona de difícil acesso, pelo que a presença dos meios aéreos "é essencial".

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.