Partículas Virais. Sempre?

É inquestionável o amplo consenso que existe entre a Comunidade Científica ao considerar que o Planeta Terra surgiu, como resultado de um complexo processo de explosões, depois da formação do Sol que ocorreu há cerca de 4 600 milhões de anos. Sublinha-se, 4 600 000 000 de anos.

Os cientistas estão também de acordo que na Terra, no período que se prolongou por mais de 3 000 milhões de anos (3 000 000 000 anos), os sinais de vida correspondiam a organismos muito incipientes.

Nessa época, no princípio, o Planeta, teria exclusivamente microrganismos unicelulares, muito simples. Cada célula resultava, naturalmente, de outra célula. Gerações e gerações sucederam-se através de mecanismos de cópias ao longo desse imenso período de tempo.

Ora, à luz dos princípios Darwinistas da evolução das espécies, num processo muito lento, que persistiu durante muitos milhões de anos, os organismos vão sendo cada vez mais complexos, nomeadamente depois da explosão câmbrica sucedida há 530 milhões de anos.

Como, igualmente se reconhece, a espécie humana (Homo sapiens) começou a habitar o Planeta há cerca de 200 mil anos (há historiadores que apontam 300 mil anos). Segue-se a preparação de alimentos pelo fogo e a agricultura. Desenvolvimento social até à descoberta "recente" da escrita há 5 500 anos a marcar o fim da Pré-História.

Os dados, acima sintetizados, mas incontestavelmente objetivos em resultado da fundamentação científica, conduzem, inevitavelmente, a uma reflexão no sentido de se perceber a razão do risco presente relacionado com emergência de fenómenos novos, inesperados, provocados por agentes virais, por exemplo.

A questão coloca-se porque um vírus é uma partícula de dimensões ínfimas, mas que apresenta sempre a mesma estrutura molecular fora do ambiente celular. Os vírus não consomem energia. Não se multiplicam. As novas gerações surgem por processos de cópias (réplicas) ao penetrarem em células de hospedeiros.

Um coronavírus, se bem que com dimensões variáveis, em média, pode ter um diâmetro de 100 nanómetros (10 mil vezes mais pequeno que o milímetro).

Atualmente, os métodos laboratoriais permitem identificar com rigor agentes virais que antes não eram conhecidos.

Precise-se.

Em 1980 surge, pela primeira vez, o VIH e a pandemia de sida.

Em 2003 o coronavírus da SARS, provoca uma epidemia no Sudeste Asiático e em Toronto.

Em 2013 uma outra estirpe de coronavírus provoca uma epidemia no Médio Oriente.

Em 2014 o Ébola na Costa Ocidental Africana provoca uma crise epidémica de grande magnitude.

Em 2019 um outro coronavírus está na origem da propagação pandémica da covid até 2021.

Todos terão tido uma fase prévia em hospedeiros animais. Epizootias. Mas, todas as epidemias que provocaram ocorreram de forma inesperada.

Interrogue-se.

Esses mesmos agentes patogénicos existiriam antes da identificação?

Estariam no Planeta?

Desde quando?

Terão atravessado os imensos milhões de anos tempo da evolução das espécies, sem evoluírem? Imutáveis?

Antes ou depois da Explosão do Câmbrico?

Ou, pelo contrário, terão surgido depois?

Poderá o Homem ser confrontado, no futuro, com outros agentes patogénicos de natureza viral que ainda não se conhecem? Ou, serem nova criação?

Assim sendo, não será oportuno reforçar a Saúde Pública?

Presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

Escreve de acordo com a antiga ortografia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG