O regurgitar da geringonça

1. Sendo o mais importante e revelador documento político do ano, é normal que o Orçamento do Estado gere muita discussão. Neste ano não foi assim. Claro que o governo e a oposição trocaram argumentos, mas a conversa nem foi particularmente substantiva, nem animada, nem parece ter chegado aos cidadãos.

Estando nós a viver um período de uma certa euforia, com indicadores como o desemprego e o crescimento económico a sorrir-nos com persistência, é quase normal que as pessoas olhem menos para o Orçamento. Se a isso somarmos o facto de que as notícias não são de agravamento fiscal, de que os funcionários públicos e pensionistas vão recuperar alguns rendimentos (chamar clientelas a estes dois grupos e dizer que estão a ser privilegiados parece-me tão disparatado como dizer que os mais prejudicados pela crise não foram os trabalhadores do privado) e que os mais pobres vão pagar mesmo menos impostos, não admira que a discussão do Orçamento não tenha tido grande impacto. É que o facto de as empresas não estarem a ser propriamente incentivadas e o investimento permanecer praticamente inexistente não incomoda a maioria das pessoas - infelizmente e com consequências bem graves no futuro, diga-se.

Depois, e de facto, o Orçamento do Estado para 2018 é uma espécie de documento de "depois logo se vê". É um exercício de equilibrismo político que pretende cumprir o nossos compromissos europeus e agradar ao BE e ao PCP. Algo difícil de fazer, mas que o PS tem conseguido com maior ou menor dificuldade.

A grande questão é que este Orçamento revela o labirinto sem saída desta solução governativa: depois dos compromissos de devolução de rendimentos, nada mais liga os três partidos. Melhor, só os liga o facto de saberem que nenhum pode sair do entendimento porque essa saída iria fazer cair o governo e, muito provavelmente, fazer crescer os partidos ou o partido que não provocasse a queda. Digamos que um governo nestas condições é pouco mais do que um governo de gestão. Agora, e este Orçamento grita isso, está bem à vista que os entendimentos em aspetos fulcrais para o país são impossíveis com esta solução governativa. Mudanças na Segurança Social, prioridades para o investimento público, reformas no ordenamento do território, acordos para reformar a Justiça, entre outros, são impossíveis de obter no quadro da geringonça. O facto é que as diferenças ideológicas e programáticas do PS com o BE e o PCP são inultrapassáveis. Une-os a perceção de que se o PSD e o CDS fossem para o governo iriam aproveitar a boa onda económica e ganhariam umas eleições seguintes, dessa vez, com maioria absoluta (é que sem negar algum impacto de algumas medidas deste governo, o ciclo económico que vivemos também ajudaria Passos Coelho se ele fosse primeiro-ministro) e prosseguindo as políticas que tinham vindo a ser seguidas, portanto era crucial criar uma solução governativa que o impedisse, custasse o que custasse. E assim se engoliram os elefantes. Para a geringonça, e sobretudo para o país que fica bloqueado, esses elefantes estão agora a regurgitar.

2. A outra razão para o Orçamento não ter tido tanto destaque como é costume tem que ver, claro, com a catástrofe do passado dia 15 de outubro. Não só por ser um acontecimento marcante pela sua dimensão trágica - logo absorvedor de toda a atenção -, mas por ter afastado do centro da discussão, em muito tempo, as questões financeiras do centro das preocupações e do debate. Subitamente, e pelas piores razões, percebemos que o Estado tinha desprezado as suas funções essenciais, as que estão na sua génese.

Durante décadas, as questões da segurança e da soberania foram desprezadas. A maioria dos portugueses, provavelmente com surpresa, só agora percebeu o estado de abandono e a desertificação de grande parte do território. Apenas agora entenderam que a província, que ainda idealizavam, já não existe e é, em demasiados locais, apenas um local coberto de mato cerrado e de meia dúzia de serviços públicos que até estações de correios, bancos e serviços mínimos de saúde deixou de ter. Não há vaquinhas a pastar, nem mondadeiras, nem ceifeiras, nem jornaleiros nos campos. As festas acontecem apenas em Agosto e até estas são cada vez escassas e com menos emigrantes para as animar.

O que aprendemos da pior forma é que as poucas pessoas que ficaram nesses locais longe das grandes cidades não são valorizadas nem protegidas e são tratadas como dispensáveis. Estão entregues ao seu destino, à mercê de qualquer desvario da natureza.

Por outro lado, as Forças Armadas não conseguem sequer cumprir a simples tarefa de guardar as armas que pusemos ao seu cuidado. Também décadas foram passando sem que ninguém olhasse para a degradação dos vários ramos das Forças Armadas, ainda desenhadas e organizadas como no tempo da Guerra Colonial, com mais generais do que soldados (passe a hipérbole) e mais concentradas em manter privilégios do que em contribuir para se reestruturarem e desempenharem o papel vital que têm de ter na comunidade.

Ninguém porá em causa o papel que o Estado tem de desempenhar na saúde, na educação, na segurança social. Em termos muito gerais, na criação de um Estado social que consiga proteger mais os seus cidadãos e que promova mais oportunidades e menos desigualdade. Mas se despreza as suas funções essenciais de proteção do cidadão e de garantir a soberania (e ocupar bem o território e ter forças armadas competentes são questões de soberania), deixa de ser Estado para ser uma outra coisa qualquer.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".