Em que país vivem os combatentes contra o politicamente correto?

Há uns anos, não havia viajante regressado dos Estados Unidos que não se queixasse da péssima qualidade das comunicações via telemóvel, sobretudo se comparada com a que havia em Portugal. A explicação, que não faço ideia se estava certa, era que nós tínhamos passado para uma tecnologia mais avançada sem ter passado pela anterior.

Ultimamente, tenho a sensação de que vivemos uma situação em Portugal parecida no que diz respeito ao chamado "politicamente correto". A diferença é que nos andam a tentar convencer de que já estamos numa suposta fase de (má) evolução do agora muito vilipendiado conceito.

Tornou-se comum dizer que a liberdade de expressão está em causa por causa de um imaginário excesso do politicamente correto - leia-se, do cuidado com a linguagem de forma a evitar expressões discriminatórias e ofensivas de grupos historicamente perseguidos. Parece-me que quem se mostra alarmado com esse cenário vive a realidade dos Estados Unidos ou da Inglaterra (onde há exageros notórios, embora não tão frequentes como nos querem fazer crer) e não a de Portugal ou, no mínimo, não anda nas ruas portuguesas, não frequenta locais públicos, nem sequer se dá com os seus concidadãos.

Nas escolas do meu país, os miúdos com orientações sexuais diferentes da maioria ou apenas com comportamentos ou aparências indiciadores dessas tendências são todos os dias ridicularizados, insultados e, até, agredidos.

Nas ruas do país em que vivo as raparigas são sujeitas a comentários de uma boçalidade sem limites ante os sorrisos dos outros transeuntes. Um homem ou mulher não branco que comete um erro no trânsito é apelidado com toda a calma do mundo por sacana do preto ou coisa pior.

Nos cafés da minha cidade, o próprio primeiro-ministro é o monhé ou um "qué frô" por dá cá aquela palha, e não é preciso contar o que se passa com qualquer homem ou mulher com a mesma cor de pele. Os brasileiros são "todos iguais" e é comum ouvir que "aquilo é mesmo coisa de preto".

Aliás, vivo num país onde há uns anos um jogador de futebol viu a sua carreira destruída porque de cada vez que entrava em campo um estádio inteiro lhe imputava a plenos pulmões uma imaginária relação homossexual com um cantor. Eu sou de uma terra em que muitos homossexuais têm a noção de que se assim se afirmarem põem em risco as suas carreiras, sobretudo as que exigem exposição pública.

Eu pertenço a uma comunidade onde uma mulher é uma desavergonhada se teve ou tem vários parceiros sexuais, quando um homem é um herói se tem o mesmo comportamento. A mesma comunidade em que praticamente não há mulheres a gerir grandes empresas ou em que poucas são chamadas a dar a sua opinião publicamente.

No entanto, não falta quem ache que os que condenam as condutas que descrevi, os que afirmam que a tolerância com esses atos conduz à sua reprodução e à perpetuação do atual estado de coisas são inimigos da liberdade de expressão. Como se a liberdade de expressão fosse um direito sem qualquer limitação, como se fosse o único não suscetível de ser abusado.

É que o país onde se grita "Deus nos acuda" quando um qualquer colunista é processado por difamação ou quando alguém critica quem acha que não tem mal nenhum mandar bocas obscenas às filhas (as dos outros, claro está) é alguém que não gosta da liberdade de expressão; onde criticar que se chame nojento a um homossexual, ou macaco a um negro é visto como censura, é o mesmo onde uma juíza acha que não é criminoso inventar histórias sobre a vida sexual de uma pessoa ou contar episódios da sua vida íntima (supostamente contados por outra pessoa) e escarrapachá-las num livro. É a mesma comunidade onde se acha tolerável afirmar que alguém fez isto ou aquilo e, provado que a imputação foi falsa, o autor se limita a dizer que foi por que ouviu dizer ou leu num qualquer tabloide ou rede social.

Longe vão os tempos, e ainda bem, em que os Sousas Laras desta vida baniam livros, da censura a sketches televisivos ou do afastamento de comentadores por imposição de ministros.

Rigorosamente nada aponta para que as situações ridículas e que são uma degenerescência do verdadeiro significado do politicamente correto que acontecem noutros países estejam sequer a aparecer em Portugal. Só mesmo gente que vive numa realidade paralela, quem não sai do Chiado ou passa mais tempo em Washington ou a ler o The New York Times é que pode dizer ou escrever que os homens, os brancos, os católicos ou os heterossexuais estejam sob qualquer tipo de ameaça - como tantas vezes se ouve e lê - ou que há ameaças à liberdade de expressão, em temas como a "raça" ou a orientação sexual. Temos sim é um ainda longo caminho a percorrer na garantia do respeito pelas minorias, pela diferença e, sim, é verdade, pelas mulheres. E, como Obama reconheceu no seu discurso de despedida, nos próprios países onde há alguns casos de abusos do politica- mente correto ainda se está muito longe de garantir tratamento justo a minorias historicamente discriminadas e humilhadas.

Tenho muitas dúvidas sobre a capacidade de a legislação mudar aspetos que dizem respeito a mentalidades. Duvido que ajude a combater preconceitos ou que faça crescer significativamente a perceção do mal. Mas estou certo de que esta batalha contra o politicamente correto está a ajudar a perpetuar preconceitos e a tolerar condutas racistas, homofóbicas e misóginas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG