Serviços mínimos

António Costa passou pela primeira noite de congresso com o mesmo discurso que tem usado nos últimos tempos. Mais linha, menos linha, quase nada mudou no relatório e contas dos tempos da governação e nos temas que decidiu trazer a este congresso e que o país-que-se-interessa-por-moções-a-congressos - uma imensa minoria - já conhece há semanas.

Como alguém que se habituou demasiado a um fato confortável, Costa não trocou de roupa e subiu ao palco mais primeiro.-ministro do que secretário-geral. Acontece a quem anda naquelas andanças da governação ter o discurso tão bem preparado que ele surge mesmo quando não se quer. Não sei se seria esse o caso no palco da Batalha ou se a repetição é já um sinal avançado da pré-campanha para o ciclo eleitoral de 2019. O certo é que, para mim, foi como se estivesse de novo sentado numa das salas do gabinete provisório do primeiro-ministro, no Terreiro do Paço, a gravar a entrevista que Costa deu ao DN há 15 dias. Ouvi frases inteiras como velhas conhecidas. E se nessa entrevista Costa deu notícia - tinha coisas novas para dizer -, aqui entrou e saiu sem grande novidade. Houve o "sim" à eutanásia, uma clarificação de uma posição que Costa nunca assumiu, mas que se adivinhava, e pouco mais.

Foram serviços mínimos. Nem mais nem menos. Foi, no essencial, o que se poderia esperar de um discurso de abertura num congresso de um partido no poder. E os casos? Costa talvez tenha resolvido um. Trouxe Sócrates com ele. Para o discurso, com um elogio a propósito do Tratado de Lisboa e para o vídeo que marcou os 45 anos do partido. Num congresso em que todos esperavam ver, ou sentir, um elefante na sala, o antigo primeiro-ministro teve direito ao mesmíssimo espaço e tempo de imagem das outras 45 figuras, e os aplausos nem sequer suspiraram. Hoje veremos quem poderá subir ao palco e que discursos podem ficar como "o irritante" num congresso com muito pouca margem para discursos para lá das moções.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.