Serviços mínimos

António Costa passou pela primeira noite de congresso com o mesmo discurso que tem usado nos últimos tempos. Mais linha, menos linha, quase nada mudou no relatório e contas dos tempos da governação e nos temas que decidiu trazer a este congresso e que o país-que-se-interessa-por-moções-a-congressos - uma imensa minoria - já conhece há semanas.

Como alguém que se habituou demasiado a um fato confortável, Costa não trocou de roupa e subiu ao palco mais primeiro.-ministro do que secretário-geral. Acontece a quem anda naquelas andanças da governação ter o discurso tão bem preparado que ele surge mesmo quando não se quer. Não sei se seria esse o caso no palco da Batalha ou se a repetição é já um sinal avançado da pré-campanha para o ciclo eleitoral de 2019. O certo é que, para mim, foi como se estivesse de novo sentado numa das salas do gabinete provisório do primeiro-ministro, no Terreiro do Paço, a gravar a entrevista que Costa deu ao DN há 15 dias. Ouvi frases inteiras como velhas conhecidas. E se nessa entrevista Costa deu notícia - tinha coisas novas para dizer -, aqui entrou e saiu sem grande novidade. Houve o "sim" à eutanásia, uma clarificação de uma posição que Costa nunca assumiu, mas que se adivinhava, e pouco mais.

Foram serviços mínimos. Nem mais nem menos. Foi, no essencial, o que se poderia esperar de um discurso de abertura num congresso de um partido no poder. E os casos? Costa talvez tenha resolvido um. Trouxe Sócrates com ele. Para o discurso, com um elogio a propósito do Tratado de Lisboa e para o vídeo que marcou os 45 anos do partido. Num congresso em que todos esperavam ver, ou sentir, um elefante na sala, o antigo primeiro-ministro teve direito ao mesmíssimo espaço e tempo de imagem das outras 45 figuras, e os aplausos nem sequer suspiraram. Hoje veremos quem poderá subir ao palco e que discursos podem ficar como "o irritante" num congresso com muito pouca margem para discursos para lá das moções.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?