Verdes em grande na Alemanha, extrema-direita não cresce, centrão muito mal

Mínimos históricos para os partidos da Grande Coligação alemã, os verdes como segundo partido mais votado, extrema-direita nos 10% mas sem crescer em relação às legislativas de 2017. As primeiras projeções de resultados destas europeias de hoje mostram que mais de dois terços do eleitorado do maior país dos 28 continua firmemente com o projeto da União Europeia, mas que as lideranças dos dois partidos do governo estão a ser questionadas e muito a sério.

No caso da CDU/CSU de Angela Merkel, 28% dos votos chega para ser a força mais votada, mas pressiona os democratas-cristãos a pensar se não está na hora de a chanceler ceder o lugar à líder do partido e sucessora anunciada, Annegret Kramp-Karrenbauer, mais conhecida como AKK. Pior é a situação para os sociais-democratas, pois a confirmarem-se os 15% de votos não só é algum nunca visto pelo menos no pós-Segunda Guerra Mundial, como são remetidos para terceiro lugar, com os verdes, creditados com 21%, a assumirem-se como a maior força de esquerda na Alemanha.

Aliás, é a subida fortíssima dos verdes, que já tinham nas regionais da Baviera em 2018 duplicado a votação, o elemento decisivo para interpretar o que se está hoje a passar hoje na Alemanha e também o que poderá vir aí. Nas regionais em Bremen, realizadas a par com as europeias, o SPD está à beira da primeira derrota em sete décadas, com a CDU a ganhar mas só porque os verdes duplicaram (uma vez mais!) a votação.

Nascidos em 1980, fruto da vontade de alguns ecologistas e de uns quantos ex-revolucionários de 1968, os verdes tiveram o seu primeiro teste de fogo em 1998, quando integraram uma coligação governamental com o SPD. Desde então, têm participado em vários governos regionais, com um pragmatismo que já os fez ser parceiros até dos democratas-cristãos. Mas o máximo que tinham conseguido numas eleições à escala nacional até agora tinha sido 12% nas europeias de 2009, que coincidiram com legislativas.

O SPD está a pagar caro a manutenção da aliança com Merkel, feita em nome da governabilidade, mas malvista pela militância e detestada pelo eleitorado tradicional. Nem o facto de desde 2017 a Grande Coligação servir para travar a extrema-direita da AFD atenuou o descrédito do partido chefiado por Andrea Nahles (cuja figura de referência é, porém, o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier). Corre o risco de ser secundarizado à esquerda pelos verdes? É uma possibilidade, dada a marcha ascendente destes últimos com a dupla Annalena Baerbock/Robert Habeck na liderança, em todas as eleições.

Quanto à AFD, os 10% previstos ficam aquém do resultado nas legislativas de há dois anos, 13% que fizeram então do partido o principal da oposição. Não é de descurar que o escândalo com o partido de extrema-direita na vizinha Áustria, irmã de língua, tenha prejudicado o desempenho da AFD. Ex-comunistas e liberais deverão ter votações pouco acima dos 5%, prova de vida, mas pouco mais.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...