Destinos

É muito complicado saber o que é mais importante, se a partida, se o destino, se a viagem. Mas há quem à partida tenha a viagem como destino. Convidaram-me para falar num encontro de especialistas europeus em mobilidade cujo tema é o valor do tempo de viagem. Não é sobre viajar no tempo nem sobre o valor da viagem, mas sobre o valor que atribuímos aos tempos de viagem. Em rigor, é uma coisa no âmbito do workshop Future Trends and Hypotheses on the Value of Travel Time, do projeto europeu MoTiV - Mobility and Time Value, organizado em Portugal pelo especialista em transportes João Bernardino. E é no Convento da Arrábida. E chegar ao Convento da Arrábida é uma viagem que não tem um valor que se pode medir em dinheiro, nem sequer em espaço, nem muito menos em tempo.

Os modelos que estão por trás das políticas públicas de transportes, e dos planos concretos, têm muita dificuldade em valorizar esta variável. E o problema é que tudo está a mudar. Desde o aproveitamento da deslocação para trabalhar, desde os e-mails respondidos no comboio, as chamadas no carro. E o tempo de lazer no metro, a navegar no telefone, likar imagens de sushi, ver as notícias, insultar alguém no Twitter, ouvir música. Quanto vale isso? Mas a mudança breve será ainda maior. Os automóveis vão tornar-se metros em poucos anos. Se juntarmos as alternativas de mobilidade partilhada, com ubers e cabifies por todo lado, que vão tornar a mobilidade em rede na cidade em automóvel imensamente mais fácil e mais barata, com o advento do veículo autónomo, os carros vão ser metros, dizia, na medida em que seremos todos passageiros porque já ninguém vai ter nem guiar carro próprio.

Saber quanto vale em euros o tempo de deslocação do ponto A para o ponto B. Se houver uma alternativa X a 1 euro que demora uma hora e uma alternativa Y a 5 euros que demora dez minutos, quem opta pela alternativa Y valoriza o tempo de viagem em qualquer coisa como quatro euros por quarenta minutos, seis euros por hora, mas, como diria Guterres, é uma questão de fazer as contas. Mas nesses euros, sejam eles quantos forem, tem de se descontar o valor atribuído pelos passageiros ao resto que se vai fazendo enquanto se viaja. Dizem os espertos, com X, que passageiros que ouvem música valorizam menos o tempo de viagem do que os passageiros que vão a ler.

Mas não há mais valor do que quando não se vai a fazer nada a não ser viajar. Devo muito às horas que passei em autocarros, do Lumiar para Lisboa e vice-versa, e em paragens de autocarros. Em metros e estações de metro. No banco de trás do carro dos meus pais, pela Europa, sem cinto de segurança. Mas o que teve mais valor, gostava de ter contado, mas não contei, foram os quase cem mil quilómetros que já devo ter feito de comboio, sinapses, células. Ouvi uma vez um amigo dos meus pais contar que o seu pai, no Porto, com a idade avançada e o juízo diminuído, saía de casa de manhã e metia-se no elétrico e fazia as linhas do princípio ao fim, de trás para a frente e da frente para trás, até que os senhores do elétrico o devolviam, ou a família o ia buscar, já sabiam onde o encontrar. Já não recordo os outros pormenores, se era sempre a mesma linha, se eram várias, o importante é que não deve haver melhor maneira de ir deixando a terra, dentro de um elétrico, na nossa cidade, para a frente e para trás. No Tudo sobre a Minha Mãe, o pai de Rosa (?) tinha Alzheimer e era passeado pelo cão. Devo ainda mais às voltas que já dei a Lisboa. No There Is a Light that never Goes Out", Morrissey canta as angústias de quem no lugar do passageiro quer andar de carro às voltas pela cidade, que não acabem, e que não o deixem em casa, porque já não tem casa. Mas há uma luz que nunca se apaga. É só preciso encontrá-la, e guardá-la lá onde for de guardar. E isso só andando por aí. E isso não tem valor que se meça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.