Uma "t-shirt" demasiado política

O Museu das Notícias de Washington está a vender "t-shirts" com uma expressão de Donald Trump - ou como se prova que a política contamina todos os níveis da sociedade

O que é uma boa média? Na arte de mentir, por exemplo: como se pode medir a performance de um mentiroso compulsivo? Digamos que a média diária de 7,6 mentiras é um patamar superior. Quem o conseguiu atingir? Pois bem, o presidente Donald Trump.

Não é um cálculo aproximado. Antes o resultado de um metódico inventário jornalístico realizado por The Washington Post. Ou seja: 4229 afirmações mentirosas (incluindo dados manipulados ou fora de contexto e, nessa medida, enganadores) em 558 dias de presidência - isto de acordo com a notícia publicada a 1 de agosto.

Há quem considere que a nossa fixação mediática em Trump apenas serve para que os seus acólitos estejam a desmantelar todos os mecanismos de governação concebidos, há muitas décadas, em benefício do povo - Noam Chomsky defendeu esse ponto de vista, tão sugestivo quanto discutível, em declaração ao movimento "Anonymous". O certo é que não é possível pensar a nossa atualidade global sem ter em conta o delirante contraste entre a fúria de Trump contra as notícias falsas que denuncia - as célebres "fake news" - e a sua própria prática quotidiana enquanto líder político.

Entretanto, nesta atribulada conjuntura surgiu um insólito elemento, à beira do surreal: o Newseum está a vender na sua loja "t-shirts" com a inscrição "You are very fake news" (à letra: "Tu és muito notícias falsas").

Seja qual for o grau de perversidade do nosso sentido de humor, convenhamos que a comercialização de tal objecto não parece decorrer das muito sérias funções de uma instituição como o Newseum (à letra: "Museu das notícias"). Estamos, de facto, perante uma entidade criada com o objectivo de informar sobre a história da comunicação e do jornalismo, tendo como principal missão a celebração da liberdade de religião, expressão e imprensa, tal como garantida pela Constituição dos EUA na sua mítica "primeira emenda" ("first amendment"), redigida em 1791.

Como se passou dessa lógica institucional para a ligeireza política, demasiado política, de uma "t-shirt"? Eis uma questão que está a gerar um evidente mal estar (mesmo sabendo-se que as vendas da loja do Newseum podem servir para atenuar os problemas orçamentais com que a instituição se debate). Robert MacNeil, decano do jornalismo americano, autor de um livro clássico sobre o assassinato de John Kennedy, já veio dizer: "Creio que, obviamente, pretende ser uma brincadeira, mas não me parece que seja uma brincadeira feliz." Entre as personalidades que deram conta da sua indignação incluem-se Pete Souza, fotógrafo oficial da Casa Branca durante a presidência de Barack Obama, e Hadas Gold, jornalista da CNN; no Twitter, Gold escreveu: "O Newseum tem um memorial dedicado aos jornalistas mortos em trabalho. Porque é que estão a vender camisolas de "fake news"? Uma coisa é vender parafrenália política, outra é promover uma frase autoritária que regimes de todo o mundo aplicam contra a liberdade de imprensa."

Como se prova, neste mundo saturado de imagens (e "t-shirts"!...), ainda conta o que se diz, como se escreve e onde se escreve. Afinal de contas, uma "t-shirt" é também uma forma de encenação do nosso próprio corpo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?