O urbanismo do nosso descontentamento

Como vemos e pensamos as nossas cidades? Eis uma evidência muito esquecida: o cinema também nos pode ajudar nessa reflexão - Antonioni, por exemplo

1. Sempre que observo os protagonistas do nosso pensamento social e político a agitarem-se com os dramas do nosso urbanismo, em particular nas grandes cidades, não posso deixar de me perguntar como é que eles são enquanto espectadores de cinema. Não é uma questão de autoridade, entenda-se, muito menos uma qualquer exigência de enciclopedismo (não tenho aquela autoridade e, em matérias enciclopédicas, reconheço-me francamente inapto). Acontece que muitos dos dramas actuais da vida urbana estão inscritos, de forma premonitória, por vezes com perturbante acutilância, em filmes que foram produzidos há 50 anos (ou mais). Regressar a tais filmes talvez nos ajude a alargar os modos da nossa reflexão.

2. Para nos ficarmos por um exemplo, emblemático entre todos, importa citar a esplendorosa herança da filmografia do italiano Michelangelo Antonioni (1912-2007). Será preciso lembrar que o seu título mais conhecido, Blow-up (1966), através de uma estrutura insólita de filme policial, se apresenta como uma crónica desencantada sobre as novas formas de solidão na grande metrópole londrina? Isto sem esquecer, claro, a trilogia a preto e branco com que Antonioni abriu a década de 60 - A Aventura (1960), A Noite (1961) e O Eclipse (1962) -, admirável colecção de histórias em que se avalia a possibilidade de as relações homem/mulher superarem a crise dos seus valores clássicos. Nesta perspectiva, Deserto Vermelho (1964), ainda e sempre com Monica Vitti, actriz fetiche de Antonioni, continua a ser uma referência modelar [foto]. Nos seus cenários assombrados, mas sempre realistas (em termos urbanos, justamente), descobrimos os sinais de uma verdade que quase nunca queremos enfrentar, nem mesmo no plano estritamente político: muitos dos novos conceitos urbanos são desprovidos de qualquer pensamento humanista.

3. A indiferença corrente pelo valor de pensamento do cinema e dos filmes não se explica apenas pela crise da cinefilia enquanto memória colectiva: quase toda a gente saberá o que aconteceu no Mundial de Futebol de 1966, poucos associarão a data a Blow-up... Ora, o que está em jogo não envolve qualquer demonização do futebol (também eu tenho memória do Portugal-Coreia do Norte num pequeno televisor a preto e branco). O que importa considerar é este apagamento do cinema enquanto fenómeno visceralmente social, submerso por um marketing simplista que reduz o prazer do espectáculo ao mercado dos "super-heróis". Eis um bom tema complementar para os nossos políticos, de todos os quadrantes, inscreverem na sua tímida agenda cultural.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.