A história do nada

Imaginem que se pode contar a história do "nada".

Algo que fica no existente antes de existir ou depois da sua morte.

Algo que está entre a "coisa" e o "nome". O seu nome. A sua existência.

Imaginem que, e quem o disse foi Tyrion Lannister (esse mesmo, o do GoT), ou pelo menos citou alguém, que "não há nada no mundo mais poderoso do que uma boa história. Nada pode pará-la. Nenhum inimigo pode derrotá-la."

Como resultado, este sentimento de que tudo foi muito apressado acabou por se sobrepor a tudo o resto. Os principais incidentes que concluíam um episódio nas temporadas anteriores, nesta oitava ocorreram no início. E então? Pergunto: mau storytelling, ou só e apenas storytelling diferente? Não estamos a discutir se é melhor, estamos apenas a fatiar o fiambre! A olhar para as variáveis tentando, e sei que é difícil, ignorar o todo.

E o todo diz-nos que uma história, seja ela até a história do nada, se for uma boa história, nada a pode vencer. E é esta a ironia do "zero"!

O zero não tem ângulos. É a concepção da perfeição. E o zero é a representação do nada.

E a pergunta é: onde leva toda esta amálgama de palavras? Onde nos leva este texto? Fazem sentido estas últimas linhas? Ou é um conjunto de pequenos "nadas"?

A minha esperança é que toda esta poesia aleatória nos conduza à ironia de que com nada se pode contar uma história. Uma história que se constrói na mudança de linha, uma história sem espólio, sem nada, mas que é auto-suficiente.

E ser auto-suficiente é ser construída segundo o "princípio da arma de Chekhov" que nos diz que se uma arma aparece na parede na primeira cena, deve sair na terceira. Ou por oposição, se está só na terceira... de onde surgiu?

E basta uma mudança repentina de comportamento, uma mudança brusca na forma de escrita que a tal arma deixa de ser possível explicar, para pôr tudo em causa... tudo!

Parece-me evidente que não podemos deixar que a verdade nos estrague uma boa história nem tão pouco devemos ignorar o poder que as estórias têm, sejam elas ricas ou cheias de nada.


Designer
Director do IADE - Faculdade de Design, Tecnologia e Comunicação da Universidade Europeia

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.