O jornalismo e o desafio da verdade

Um jornalismo sem fingimentos, hostil às falsidades, a slogans sensacionalistas e a declarações bombásticas; um jornalismo feito por pessoas para as pessoas e considerado como serviço a todas as pessoas, especialmente àquelas - e no mundo são a maioria - que não têm voz; (...) um jornalismo empenhado em indicar soluções alternativas à escalada do clamor e da violência verbal." O apelo é do Papa Francisco, na mensagem que publicou ontem, no Dia Mundial da Comunicação Social - uma ideia saída do Concílio Vaticano II.

Francisco escolheu as fake news como tema e só para que quem tem por hábito odiar possa odiar, fica aqui algo que vai valer uns quantos comentários negativos: recuemos os anos ou as décadas que recuarmos, será difícil encontrar tempos tão desafiantes e decisivos para o exercício do jornalismo. Num mundo cada vez mais polarizado, em que há retrocessos em demasiadas democracias para que nos sintamos confortáveis, o papel do jornalismo, o poder da informação ou de uma história bem contada ganharam uma nova e súbita vida. É verdade que o papel já não vende o que vendia, que já poucos veem televisão ou ouvem rádio como o faziam há meia dúzia de anos, mas é igualmente verdade que chegamos agora a muito mais pessoas - algumas em pontos insuspeitos do globo - e de forma mais direta, quase sempre na palma da mão. E querem saber o melhor de toda esta mudança? Mesmo com um modelo de negócio ainda essencialmente indefinido e apesar de todas as dúvidas e incertezas, sabemos que o conjunto de regras que define a profissão mantém-se absolutamente válido.

O mundo é agora muito mais democrático do que em 1967, mas o crescimento exponencial do número de países em democracia, registado desde o pós-II Guerra, tem sofrido algumas hesitações nos últimos 15 anos - os tais retrocessos. Se resistirmos a relativizar a verdade, se recusarmos alimentar e alimentar-nos da polarização do espaço público, se questionarmos a sedução de alguns populismos - apesar de inorgânicos, também os temos por cá -, estaremos a contribuir para que a ideia de democracia não se dilua. Não me parece um programa pouco ambicioso.

Regresso a Francisco. "No meio do frenesim das notícias e na voragem das cachas, o jornalista tem o dever de lembrar que, no centro da notícia, não estão a velocidade em comunicá-la nem o impacto sobre a audiência, mas as pessoas. Informar é formar, é lidar com a vida das pessoas."

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.