Afinal, o SNS vale o que pagamos

O estudo sobre a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS), realizado pela universidade Nova e que será apresentado hoje na sétima conferência AbbVie/TSF/DN, dá-nos uma imagem bem diferente daquela a que estamos habituados ou a que nos fomos acostumando pela insistência da luta política dos últimos muitos anos - aqui não há inocentes.

Para lá de uma melhoria no índice de sustentabilidade, algo de que nem sequer suspeitaríamos se só ouvíssemos o discurso político sobre o tema, o responsável pelo estudo destaca o contributo do SNS para a economia. São 5,5 mil milhões de euros de ganho, entre poupança com faltas ao trabalho evitadas pelos cuidados de saúde prestados pelo Estado e o retorno económico desses cidadãos que, não tendo ficado doentes em casa, foram trabalhar, produziram, receberam um pagamento por esse trabalho e gastaram parte em bens de consumo. Explicado assim, em economês de grau zero, parece simples, mas o facto é que estamos muito mais habituados a ouvir falar do que o SNS nos custa, a todos enquanto contribuintes, e também do que o serviço faz menos bem ou onde tem falhas graves. A espaços também vamos ouvindo que este é um sistema insustentável, que representa um fardo financeiro excessivo para o país, que consome recursos que seriam mais bem aplicados noutras áreas e, por último, que estaríamos todos muito melhor com uma passagem mais decidida destas responsabilidades para a esfera privada.

5,5 mil milhões é, para que se tenha noção da grandeza, cerca de metade do orçamento do Estado para a saúde, para o SNS. Dito de outra forma, o SNS consegue "devolver" ao país, à economia, metade do que absorve em dinheiro público, dos contribuintes. Será assim um negócio tão mau como nos tem sido vendido? Não me parece. Obviamente que não estamos a falar de lucros, de dinheiro vivo, de receitas do SNS. Mas a conclusão deste estudo regista algo que é igualmente mensurável: os efeitos positivos para a economia, para o país, de um sistema que, apesar de todas as limitações e defeitos, garante melhor saúde aos seus utentes. Assegura, pelo menos, condições para que sejam mais produtivos. Outro ponto de dissonância deste estudo com o discurso político sobre o SNS passa pela avaliação do sistema por quem o usa. Apesar de uma descida ligeira no índice de satisfação em relação ao ano passado, dois terços dos utentes estão satisfeitos com o SNS. Não me parece mal para um sistema tão diabolizado. Talvez seja porque quem o critica, do alto do palco político, pouco ou nada o usa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.