Afinal, o SNS vale o que pagamos

O estudo sobre a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS), realizado pela universidade Nova e que será apresentado hoje na sétima conferência AbbVie/TSF/DN, dá-nos uma imagem bem diferente daquela a que estamos habituados ou a que nos fomos acostumando pela insistência da luta política dos últimos muitos anos - aqui não há inocentes.

Para lá de uma melhoria no índice de sustentabilidade, algo de que nem sequer suspeitaríamos se só ouvíssemos o discurso político sobre o tema, o responsável pelo estudo destaca o contributo do SNS para a economia. São 5,5 mil milhões de euros de ganho, entre poupança com faltas ao trabalho evitadas pelos cuidados de saúde prestados pelo Estado e o retorno económico desses cidadãos que, não tendo ficado doentes em casa, foram trabalhar, produziram, receberam um pagamento por esse trabalho e gastaram parte em bens de consumo. Explicado assim, em economês de grau zero, parece simples, mas o facto é que estamos muito mais habituados a ouvir falar do que o SNS nos custa, a todos enquanto contribuintes, e também do que o serviço faz menos bem ou onde tem falhas graves. A espaços também vamos ouvindo que este é um sistema insustentável, que representa um fardo financeiro excessivo para o país, que consome recursos que seriam mais bem aplicados noutras áreas e, por último, que estaríamos todos muito melhor com uma passagem mais decidida destas responsabilidades para a esfera privada.

5,5 mil milhões é, para que se tenha noção da grandeza, cerca de metade do orçamento do Estado para a saúde, para o SNS. Dito de outra forma, o SNS consegue "devolver" ao país, à economia, metade do que absorve em dinheiro público, dos contribuintes. Será assim um negócio tão mau como nos tem sido vendido? Não me parece. Obviamente que não estamos a falar de lucros, de dinheiro vivo, de receitas do SNS. Mas a conclusão deste estudo regista algo que é igualmente mensurável: os efeitos positivos para a economia, para o país, de um sistema que, apesar de todas as limitações e defeitos, garante melhor saúde aos seus utentes. Assegura, pelo menos, condições para que sejam mais produtivos. Outro ponto de dissonância deste estudo com o discurso político sobre o SNS passa pela avaliação do sistema por quem o usa. Apesar de uma descida ligeira no índice de satisfação em relação ao ano passado, dois terços dos utentes estão satisfeitos com o SNS. Não me parece mal para um sistema tão diabolizado. Talvez seja porque quem o critica, do alto do palco político, pouco ou nada o usa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.