«Não sou tão certinha quanto aparento»

Sexo Inútil, o novo livro de Ana Zanatti, chega às livrarias no início de março, 50 anos depois de a atriz e escritora ter percebido «aimer les femmes», como escrevia no seu diário, e decidido não abdicar da sua natureza; seis anos depois de ter dado a cara pelo casamento entre pessoas do mesmo sexo; e três semanas depois de ter sido aprovada, no parlamento português, após um veto presidencial, a adoção por casais homossexuais. Um livro, que apesar de todos os avanços, quer ser, e será, uma pedrada no charco do preconceito e da discriminação. Foi disso que Ana Zanatti quis falar.

Foi uma menina bem comportada e depois uma adolescente rebelde. Filha única, criada num ambiente familiar em que a disciplina, o rigor e a exigência do pai eram contrabalançados pela doçura, e bom humor, da mãe, fez-se dura de roer, sem se calar perante o que considerava uma injustiça. O diário e a sala e o quarto só dela fizeram-na perceber que ela própria era a sua melhor companhia, apesar dos muitos amigos e primos e vida agitada lá fora. Aos 18 anos, desistiu do curso de românicas, saiu de casa, zangou-se, fez cortes, fez pontes, desbravou mundo. Foi ser atriz, locutora, apresentadora de televisão e de festivais da canção, escrever letras de músicas e depois romances e livros infantis e poemas, e viver. Viver muito. Não a deixaram ser canhota, mas não conseguiram impedi-la de ser tudo o que quis.

Escreve: «Dei um salto no escuro sem olhar para trás aos 18 anos. Talvez o mesmo salto que me sinto a dar com a escrita deste livro.» Porquê?

Escrevi um livro muito diferente dos anteriores que ou eram romances ou contos. Este não só não é ficção como tem uma estrutura que eu própria só fui desbravando à medida que avançava. Um livro com excertos de correspondência, testemunhos, excertos de um diário, reflexões diversas foi mesmo um salto no escuro.

O Sexo Inútil tem como fio condutor a sua correspondência com Joana, uma estudante de medicina de 21 anos, às voltas com o assumir, perante si própria, a sua orientação sexual. Como chegou a esta ideia?

Tinha há muito a ideia de escrever sobre a dignidade e o preconceito. Ao longo de 40 anos fui juntando cartas de pessoas que se debatiam com essa questão, e quando me estava a preparar para organizar e ler o material que tinha, surgiu esta hipótese. Estava, havia dez ou onze meses, a responder aos e-mails diários desta jovem que atravessava um período particularmente difícil e pensei que, se ela me autorizasse, este poderia ser um bom ponto de partida para o livro que queria escrever.

O Sexo Inútil porquê?

As sociedades ocidentais refletem, em muitos aspetos, a herança da moral judaico-cristã que condena o prazer e o erotismo. Como dizia Nietzsche, «o cristianismo deu veneno a beber a Eros». É uma frase que cito bastante porque resume a ideia que quero veicular. De acordo com esta moral, o sexo só é legítimo quando tem esse caráter «utilitário» de possibilitar a procriação. Quando essa hipótese não existe, é como se o ato sexual e todas as manifestações eróticas não fossem legítimas e se revestissem de alguma inutilidade. Isto inspirou-me o título.

Continue a ler a entrevista a Ana Zanatti na Notícias Magazine

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.