Do Eleven para a Califórnia

David Costa e Jéssica Carreira deixaram Portugal e alguns dos melhores restaurantes para transformar um espaço histórico da comunidade portuguesa da califórnia. O Sousa's agora chama-se Adega e o casal de chefs acredita que San Jose pode transformar-se num destino gastronómico - com sabor lusitano.

Na última primavera, ao fim de 33 anos, Leonel e Aira Sousa anunciaram que iam fechar as portas do Sousa"s. A notícia alastrou-se na comunidade portuguesa de San Jose, no Norte da Califórnia, como se tivesse rastilho. Carlos e Fernanda Carreira pensaram de imediato na filha, que trabalhava em Lisboa como chefe de pastelaria do restaurante Eleven. No início do ano, Jéssica tinha-lhes pedido que estivessem atentos a qualquer oportunidade. Ela e o namorado, David, queriam sair de Lisboa e dos espaços de luxo onde trabalhavam, e mudar-se para os Estados Unidos para abrir um restaurante.

O Sousa's ficava no centro da cidade, num bairro conhecido como Little Portugal, e junto à autoestrada 101, que em minutos conduz até Silicon Valley e a centenas de empresas tecnológicas. É uma zona de confluência de norte-americanos com dinheiro e portugueses com saudades. «São exatamente os clientes que sonhamos ter», diz Jéssica, de 21 anos. «A localização não podia ser melhor.» O negócio ficou fechado em semanas.

A vida da família Sousa e da família Carreira, que até então correra em linhas paralelas, cruzou-se naquele momento para dar continuidade a um restaurante fundamental na história da comunidade portuguesa da Califórnia. Em julho, o Sousa's fechou as portas. Em dezembro, abriu o Adega.

Continue a ler na Notícias Magazine.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.