Zimbabué adota a moeda chinesa como divisa oficial

China diz que é sinal de "confiança". Zimbabué já não usa a própria moeda porque a hiperinflação fez com que perdesse quase todo o valor

O recém-anunciado plano do Zimbabué em adotar o yuan, a moeda chinesa, como divisa oficial, "revela a confiança" do país africano na China, considerou hoje o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês Hong Lei. Em reação à medida anunciada pelo ministro das Finanças zimbabueano, Patrick Chinamasa, Hong Lei assegurou que Pequim "aumentará a cooperação com o Zimbabué em diversos campos, e ajudará ao desenvolvimento do país".

Esta semana, Pequim anunciou um perdão de 40 milhões de dólares na dívida do país africano.

O Zimbabué, que sofria de uma severa hiperinflação, retirou há seis meses do mercado a sua moeda oficial, o dólar zimbabueano, e ofereceu aos credores trocar cada 175.000 milhões daquela moeda por apenas cinco dólares norte-americanos.

Desde este ano, a China tem pugnado pela conversão do yuan numa moeda internacional ao mesmo nível do dólar e do euro. Em novembro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) decidiu incluir a divisa chinesa no seu cabaz de moedas de reserva, um instrumento criado pelo FMI com a finalidade de permitir liquidez aos países membros.

Desde 2009, é legal no Zimbabué pagar com diversas divisas estrangeiras, que eram já amplamente utilizadas no mercado negro, como o euro, o dólar, a libra esterlina, ou as moedas dos países vizinhos África do Sul e Botswana.

Pequim galardoou, este ano, o presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, com o "Prémio Confúcio", uma distinção criada por um organismo ligado ao Partido Comunista Chinês, em resposta ao Prémio Nobel da Paz.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG