Xi Jinping deixa Portugal com promessa de "levar parceria para um novo patamar"

Presidente chinês leva na bagagem a assinatura de 17 acordos de cooperação bilateral e uma declaração conjunta em que é expresso o desejo de aprofundar as relações.

O presidente chinês, Xi Jinping, terminou ontem uma visita oficial de dois dias a Portugal, levando na bagagem a assinatura de 17 acordos de cooperação bilateral e uma declaração conjunta em que os dois países expressam o desejo de aprofundar "uma amizade tradicional" a pensar nos novos desafios. A aposta é no multilateralismo, com repúdio de "todas as formas de protecionismo e unilateralismo".

A viagem fica ainda marcada pelo convite de Xi ao presidente português para que visite a China em abril de 2019, que Marcelo Rebelo de Sousa aceitou "com agrado".

"O funcionamento bilateral encontra-se no seu melhor momento histórico. Em 2019, quando se celebram 40 anos das relações bilaterais, vamos aprofundar a amizade e cooperação e levar a nossa parceria estratégica global para um novo patamar", disse Xi Jinping no Palácio de Queluz, depois de um encontro com o primeiro-ministro português, António Costa.

"As duas partes vão empenhar-se na promoção e aprofundamento da parceria estratégica global entre a China e a Europa, reforçar o apoio à cooperação nas organizações internacionais, como a ONU, salvaguardar conjuntamente o multilateralismo, o livre comércio, promover a paz, desenvolvimento, estabilidade e prosperidade mundiais", referiu o presidente chinês na sua declaração, sem direito a perguntas por parte dos jornalistas.

Xi Jinping terminou em Portugal uma viagem que o levou também a Espanha, à Argentina (para a cimeira do G20) e ao Panamá. "Senti as aspirações, expectativas, dos povos de todos os países, pela paz, estabilidade, desenvolvimento, prosperidade, por uma vida melhor", assegurou. "Apesar de o mundo atual enfrentar diversos problemas e desafios, a China vai aderir sempre ao princípio do respeito mútuo, consultas em pé de igualdade, e persistir no desenvolvimento pacífico e cooperação."

Cinco séculos de convivência

Antes de Xi Jinping, já tinha tomado a palavra o primeiro-ministro português: "A nossa relação funda-se em mais de cinco séculos de convivência e numa confiança mútua que foi sempre confirmada e reafirmada ao longo destes séculos. É por isso que no quadro bilateral e da União Europeia somos sempre garante da relação de confiança com a República Popular da China", referiu.

Para Costa, a visita permitiu dar "passos concretos" no desenvolvimento das relações, traduzindo-se em resultados concretos. "Pelo facto de termos subido mais alguns degraus na nossa relação, podemos agora ter um horizonte mais vasto à nossa frente", referiu o primeiro-ministro, falando de alguns dos 17 acordos de cooperação que foram assinados.

"É disso exemplo o facto de a agência de dotação chinesa ter classificado a dívida portuguesa como elegível para a emissão de dívida em panda bonds, o que é de interesse mútuo para a diversificação das fontes de financiamento da economia portuguesa, mas também para colaborarmos na internacionalização do renminbi" (a moeda oficial da China), disse Costa.

"Com a confiança que temos, em cada novo encontro, são dois passos à frente que conseguimos dar no nosso relacionamento cada vez mais profícuo", acrescentou o primeiro-ministro, que passeou depois sozinho com o presidente chinês pelos jardins do Palácio de Queluz.

Declaração conjunta

Pouco antes das declarações à imprensa de Xi Jinping e de António Costa, foi divulgada a declaração conjunta dos dois países sobre o reforço da parceria estratégica global. São 23 pontos no total, partilhados no site da Presidência portuguesa.

China e Portugal avaliam como "muito positivos" os desenvolvimentos crescentes no relacionamento entre os dois países, "caracterizado por uma amizade tradicional". Lembrando que o estabelecimento das relações diplomáticas remonta a 8 de fevereiro de 1979, indicam que, desde o estabelecimento da Parceria Estratégica Global em 2005, "gozam de confiança política mútua crescentemente reforçada, consolidada e resultados frutíferos de cooperação" em várias áreas.

É essa parceria que Portugal e China querem reforçar com novos conteúdos no próximo ano, quando se assinala o 40.º aniversário das relações diplomáticas e já está prevista uma visita oficial do presidente português à China em abril, para a 2.ª Edição do Fórum da Cooperação Internacional Uma Faixa, Uma Rota. Alegam que isso "corresponde aos interesses fundamentais dos dois países e dos seus povos e contribui para a salvaguarda da paz, estabilidade, desenvolvimento e prosperidade do mundo".

"As duas partes acordaram elevar o nível de desenvolvimento das relações entre os dois países e conduzir a Parceria Estratégica Global Portugal-China a novos patamares, com base nos princípios de respeito mútuo, tratamento igual, benefício recíproco e ganhos compartilhados, a partir de uma visão estratégica e de longo prazo, e por meio de esforço conjunto e reforço de cooperação", lê-se no texto.

Em relação à iniciativa Uma Faixa, Uma Rota, Portugal manifestou o seu interesse em participar, razão pela qual foi assinado um memorando de entendimento "que consagra o aprofundamento do diálogo político e promove a conectividade sustentável entre a Europa e a Ásia" em vários domínios, estabelecendo-se ainda o interesse "em fomentar a cooperação com países terceiros, em regiões como a África e a América Latina".

Multilateralismo contra o protecionismo

"As duas partes continuarão a promover o multilateralismo baseado na lei internacional e nas normas universalmente reconhecidas que regem as relações internacionais, e juntarão esforços para promover relações internacionais assentes no respeito mútuo, na equidade e justiça e na cooperação mutuamente vantajosa com vista a construir um mundo limpo, belo, aberto e inclusivo com paz duradoura, segurança universal e prosperidade comum", diz a declaração.

Portugal e a China transmitem o seu apoio "à reforma do sistema das Nações Unidas de modo a aumentar a sua autoridade e eficiência" e acrescentam: "A reforma deve refletir o princípio de abertura e transparência, ouvir de forma extensiva as opiniões dos países membros e buscar amplo consenso mediante consulta plena. As duas partes sublinharam o seu apoio aos esforços do secretário-geral da ONU neste âmbito", numa referência a António Guterres.

"As duas partes reafirmaram o seu empenho no multilateralismo, na defesa dos propósitos e princípios consagrados na Carta das Nações Unidas, em apoiar o reforço do papel das Nações Unidas na comunidade internacional, na manutenção da paz e segurança internacionais, na promoção do desenvolvimento sustentável e na proteção dos direitos humanos", sublinha-se.

Portugal e a China defenderam ainda "uma economia mundial aberta", repudiando "todas as formas de protecionismo e unilateralismo, comprometendo-se a promover a liberalização e facilitação do comércio e investimento no âmbito das regras do sistema multilateral do comércio".

A nível comercial, a ideia é desenvolver o relacionamento económico bilateral e encorajar o intercâmbio, havendo ainda interesse numa maior participação nas plataformas de comércio eletrónico mútuas. Os dois países "comprometeram-se, nos vários setores económicos e no setor agroalimentar, em particular, a respeitar os padrões de segurança e supervisão do outro país, a conceder facilidades à importação de produtos e serviços qualificados, e a continuar a encorajar e apoiar as suas empresas a investir na China e em Portugal".

40.º aniversário das relações

Para assinalar o 40.º aniversário das relações, será também dado destaque a nível cultural, com festivais nos dois países, em 2019. Há ainda a criação de centros culturais, com o intensificar da cooperação em matéria de educação, mas não só. "Portugal mostrou-se disposto a partilhar a sua experiência em futebol e em outras modalidades desportivas, e a desenvolver a cooperação em matéria de desporto juvenil", indicam na declaração conjunta.

Vinte anos depois da passagem da soberania do território de Macau para a China, os dois países expressam a disposição de "reforçar o papel de Macau como ponte e elo de ligação para promover as relações de amizade de longo prazo Portugal-China", assim como "continuar a apoiar o papel de Macau como plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa".

A cooperação marítima entre os dois grandes países marítimos é também realçada. "Com base no princípio de benefício mútuo e ganhos compartilhados, as partes propõem-se aprofundar sustentadamente a cooperação marítima e a desenvolver a Parceria Azul entre Portugal e a China (...) com vista ao desenvolvimento da economia marítima e marinha dos dois países", indicaram.

"A parte chinesa avaliou como muito positivo o papel importante que Portugal desempenha em salvaguardar a estabilidade e impulsionar a integração da União Europeia", querendo tanto a China como Portugal promover e aprofundar as parcerias com a UE.

No reiterar do respeito pela "soberania e integridade territorial" de ambos os países, Portugal reafirmou também a "continuada adesão ao princípio 'Uma só China', bem como o apoio à posição chinesa na questão de Taiwan", tendo a China manifestado o seu apreço por este apoio.

Na declaração conjunta há ainda referência ao interesse, no âmbito do turismo e não só, de "fortalecer o desenvolvimento sustentado de ligações aéreas diretas entre os dois países". Mas também ao início, no primeiro semestre de 2019, das negociações formais para a celebração de uma convenção bilateral de segurança social. E há elogios no que diz respeito à cooperação judiciária.

Trânsito e segurança

A visita de menos de dois dias de Xi Jinping a Portugal não deixa contudo saudades aos lisboetas, que nos últimos dias tiveram de enfrentar mais problemas de trânsito do que o normal. E, no caso de viverem ou trabalharem junto dos locais por onde a comitiva passou, necessidade de se identificarem.

Deputados e funcionários parlamentares foram obrigados a identificar-se na Rua de São Bento, em Lisboa, e noutras artérias de acesso ao Parlamento, para poderem deslocar-se até à Assembleia da República, nesta quarta-feira de manhã, constatou o DN no local. Um excesso, apontaram.

A segurança deixou também ao longe os manifestantes autorizados, com faixas a dar as boas-vindas ao presidente chinês não só junto ao Mosteiro do Jerónimos e ao Palácio de Belém, no primeiro dia, como junto à Assembleia da República e ao Palácio de Queluz, no segundo.

A ida de Xi Jinping ao Parlamento teve algumas ausências: os deputados do Bloco de Esquerda e o deputado do PAN não estiveram na receção parlamentar ao presidente chinês. Também não esteve o presidente da comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros, o socialista Sérgio Sousa Pinto.

Não houve declarações públicas de Xi Jinping ou do presidente da Assembleia, mas no seu discurso à porta fechada, divulgado depois aos jornalistas, Ferro Rodrigues salientou a natureza pluripartidária do sistema político português. "Diferentes partidos têm posições distintas e distintos pontos de vista, afirmou, para a seguir acrescentar que isso não impede "o grande consenso que nos une no objetivo de aprofundar o relacionamento com a China".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.