Visita de golfinho impede pessoas de irem a banhos numa praia francesa

Proibição vigorou entre os dias 20 e 27 de agosto

Um autarca francês proibiu a ida a banhos na praia de Port-Maria, perto de Landévennec, na costa francesa, durante uma semana, entre os dias 20 e 27 de agosto, devido à presença de um golfinho.

"Optei por dar esta ordem por causa da segurança das pessoas", justificou ao jornal francês Ouest-France o autarca Roger Lars, que explicou que os banhistas ficaram assustados, tendo um deles sido levantado pelo animal.

De acordo com o jornal francês Le Télégramme , o golfinho, que ficou conhecido pelos habitantes como Zafar, não era agressivo, embora se tenha aproximado dos banhistas e das embarcações estacionadas no local, procurando contacto com os banhistas.

Um advogado francês disse à agência France-Pressque a medida era um exagero, e por isso iria apresentar uma queixa legal contra a medida, até porque não considera os golfinhos como sendo animais perigosos ou imprevisíveis, capazes de afogar as pessoas. "Quantos acidentes com golfinhos aconteceram no [departamento de] Finisterra desde que as nossas duas espécies coexistiram? Nenhum!",explicou Erwan Le Cornec, que continuou a entrar no mar, apesar da proibição.

Os golfinhos gostam de seguir pessoas e embarcações. Apenas cientistas qualificados aprovados pelo ministério do Meio Ambiente francês tiveram autorização para se aproximar de Zafar para estudá-lo.

O animal acabou por deixar a praia na última segunda-feira.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.