Vídeo de israelita a atirar em palestiniano divulgado pelos media de Israel

Apesar de o ministro da Defesa de Israel ter dito que o atirador "merece uma medalha", as Forças de Defesa de Israel abriram uma investigação e prometem "tratar" dos snipers

Um vídeo está a sensibilizar a internet. Partilhado no Twitter, pela primeira vez, na segunda-feira, por Or Heller, um correspondente militar do Channel 10 News de Israel, as imagens mostram um sniper israelita a disparar sobre palestinianos na Faixa de Gaza.

Segundo o britânico The Guardian, que também partilha o vídeo, este está a ser amplamente divulgado pelos meios de comunicação israelitas, incluindo nos jornais televisivos de horário nobre.

O Exército já veio a público garantir que o assunto vai ser examinado em profundidade, que uma investigação estava a decorrer e que os soldados "vão ser tratados em conformidade", apesar de, segundo a BBC, o ministro da Defesa de Israel ter dito que o atirador "merece uma medalha".

Foi através do inquérito que se descobriu que as imagens captadas através de uns binóculos, onde vê um palestiniano a cair atingido numa perna por uma bala, tinham acontecido a 22 de dezembro, naquilo a que as Forças de Defesa de Israel (FDI) apelidaram, segundo a BBC, de "motim violento, que incluía arremesso de pedras e tentativas de sabotar a cerca de segurança".

Portanto, o disparo teria acontecido numa tentativa de acalmar a multidão que estava a virar violenta. Mas não é isso o que a captação mostra, o que tem atraído a condenação de políticos e de grupos de direitos humanos.

A gravação ocorreu perto da fronteira entre Israel e Gaza, na qual as FDI dispararam em mais de duas dúzias de pessoas e feriram outras centenas, segundo as autoridades de saúde do país.

O vídeo é curto.

Com menos de um minuto e meio de duração, o filme não mostra nenhum tipo de manifestação dos palestinianos, mas sim israelitas a fazer tiro ao alvo e a vangloriarem-se por terem atingido em alguém.

"No momento em que ele para, você o deixa cair", diz um soldado. "Você tem uma bala na câmara?"

"Sim", responde o presumível atirador.

Então ele queixa-se de não ter uma visão clara por causa do arame farpado e do alvo se esquivar de cada vez que ele se prepara para atirar. Os soldados debatem se devem fazer mira à pessoa que usa uma camisa rosa ou a que tem uma camisa azul. Então, ouve-se o tiro.

Do outro lado, uma pessoa cai. Muitas começam a correr. Um dos soldados grita: "Que vídeo. Eles estão correndo para o tirar dali. Sim, claro que eu filmei".

Quando a pessoa ferida é retirada, um dos soldados goza: "Ele caiu no ar, com as pernas para cima".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.