Enxurrada de lama após rutura em barragem. Nove mortos e 300 desaparecidos

O acidente ocorreu na localidade de Brumadinho, município a 60 quilómetros de Belo Horizonte. Moradores da parte baixa da cidade foram retirados das suas casas. Prefeito da cidade disse terem encontrado sete corpos

A rutura de uma barragem no Estado de Minas Gerais, do Brasil, provocou uma enxurrada de lama na tarde desta sexta-feira, com bombeiros locais a falarem mesmo em vários mortos, segundo informações avançadas pelos jornais locais. De acordo com o jornal Globo, o último balanço do Corpo dos Bombeiros, emitido às 1:30 (03:30 em Lisboa), elevou para nove o número de mortos e até 300 o números de desaparecidos no desastre. Já foram resgatadas 189 pessoas.

O anterior balanço apontava para sete mortos e cerca de 150 desaparecidos.

O acidente ocorreu na localidade de Brumadinho, município a 60 quilómetros da capital estadual, Belo Horizonte, e pelos relatos recebidos pelos bombeiros há várias vítimas, ainda não sendo possível determinar quantos. Até ao momento foram resgatados quatro feridos da lama.

A barragem de contenção pertence à empresa mineira Vale e é usada também para recirculação de água. No seu site, a Vale informa que a estrutura tem capacidade para cerca de um milhão de metros cúbicos. A lama terá atingido uma zona onde funciona a área administrativa da empresa, onde havia funcionários, além da comunidade Vila Ferteco.

O município publicou um alerta para que a população não fique perto do leito Rio Paraopeba e os moradores da parte baixa da cidade terão sido retirados das suas casas. O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto do Santos Cruz, já classificou como "lastimável" o rompimento da barragem em Minas Gerais. "É lastimável, mais uma vez na mesma grande região", disse o ministro.

Esta não é a primeira vez que a Vale se vê envolvida num acidente do género. Em 2015, o rompimento da barragem do Fundão, controlada pela empresa brasileira e pela anglo-australiana BHP Billiton, causou a morte de 19 pessoas, naquele que foi o pior acidente da história da mineração no Brasil. Na altura, foram despejados 34 milhões de metros cúbicos de minério de ferro e atingidos 38 municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo. As águas do Rio Doce foram completamente invadidas por lamas e estima-se que tenham morrido cerca de 14 toneladas de peixes.

Em relação ao acidente desta sexta-feira, a companhia informou que ativou o seu Plano de Atendimento a Emergências para Barragens e que sua prioridade, agora, é "preservar e proteger a vida de empregados e de integrantes da comunidade".

(Atualizado às 11:00 com número de mortos e desaparecidos)

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG