"Uma chuva de fake news". Ministro de Bolsonaro imita Gene Kelly para atacar os media

"Uma chuva de fake news", diz Abraham Weintraub, de guarda-chuva em punho, como o ator e bailarino de "Serenata à Chuva", em vídeo nas redes sociais

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, usou o seu perfil no Twitter para parodiar a célebre cena do filme "Serenata à Chuva", de Gene Kelly e Stanley Donen e com o próprio Gene Kelly no principal papel.

O pretexto de Weintraub, com direito a banda sonora e guarda-chuva em punho, foi o corte de verbas para obras no Museu Nacional, no Rio de Janeiro, que ao sofrer um incêndio em setembro de 2017 perdeu a maior parte do seu acervo de 12 mil itens.

"Está chovendo fake news", anuncia o ministro, no vídeo postado no Twitter. "Novamente um veículo de comunicação, de mal com a vida, tenta macular a imagem do Ministério. Alega que a recuperação do Museu Nacional, aquele que o reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro não conseguiu explicar, estaria sendo paralisada pelo Ministério", continua.

Para depois dizer que essa paralisação, segundo ele, se deve a uma decisão de deputados estaduais do Rio de Janeiro e não à ação do ministério sob sua tutela.

O ministro, que substituiu em abril Ricardo Vélez, a escolha inicial de Jair Bolsonaro, vem entrando em controvérsias com frequência e cometido ainda mais gafes do que o antecessor, como confundir o nome do escritor checo Franz Kafka com "kafta", uma iguaria árabe muito popular no Brasil, e escrever tweets com erros ortográficos como "insitar" em vez de incitar.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.