UKIP usou fundos do Parlamento Europeu para fazer campanhas

Partido terá de devolver mais de 170 mil euros e já não receberá mais de 500 mil que lhe estavam destinados

O UKIP (Partido de Independência do Reino Unido) usou fundos do Parlamento Europeu para fazer campanhas eleitorais, uma delas ligada ao Brexit, ou seja, para promover o voto na saída do Reino Unido da União Europeia, concluiu uma auditoria do parlamento Europeu, avançou hoje o jornal The Guardian. A Sky News adianta que o partido liderado por Nigel Farage terá usado indevidamente cerca de 500 mil euros.

De acordo com a publicação britânica, que teve acesso ao documento, o Europa da Liberdade e da Democracia Direta, grupo dominado pelo UKIP no Parlamento Europeu, terá de devolver 173 mil euros e já não terá acesso a 501 mil euros que lhe estavam destinados.

As regras do Parlamento Europeu impedem o uso dos fundos da União Europeia em campanhas eleitorais e referendos, mas foi precisamente aí que o UKIP usou as verbas em causa. Primeiro para realizar sondagens nos círculos eleitorais onde os responsáveis do partido julgavam conseguir ganhar um assento nas eleições gerais do ano passado. E depois para fazer o mesmo tipo de pesquisas para apurar a tendência dos britânicos relativamente ao Brexit, que o UKIP defendia. A auditoria conclui ainda que esses fundos também foram usados em sondagens antes das eleições na Escócia e no País de Gales, este ano.

O partido, em declarações citadas pelo mesmo jornal, já negou as conclusões da auditoria e garantiu ter cumprido sempre as regras.

O documento do parlamento Europeu sugere ainda que o Grupo Europa da Liberdade e da Democracia Direta teria falido sem os fundos

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG