Trump recebe herói canino na Casa Branca. "É tão brilhante e inteligente"

O presidente dos EUA homenageou Canon, o pastor-belga Malinois que participou na operação que culminou na morte do líder do Estado Islâmico.

"Este é Conan, provavelmente o cão mais famoso do mundo", disse o presidente dos EUA, que recebeu esta segunda-feira na Casa Branca o pastor-belga Malinois, que participou na operação que culminou com a morte do líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi.

Ladeado pela mulher Melania e por Mike Pence, vice-presidente dos EUA, e pelo treinador do cão, Donald Trump disse aos jornalistas que deu uma medalha e uma placa ao cão, que considera ser "tão brilhante, tão inteligente". "Ele fez um trabalho fantástico. É um cão muito especial", afirmou.

Mike Pence afirmou que o presidente esteve reunido com alguns dos elementos das forças especiais, cuja identidade permanece desconhecida por razões de segurança, que fizeram parte da operação de que resultou a morte do líder do Estado Islâmico.

Trump referiu ainda que Conan não vai reformar-se tão cedo. ​​​​​​Já antes, tinha apelidado Conan de "herói americano" ao partilhar no Twitter uma polémica fotomontagem com o cão a receber a Medalha de Honra do Congresso, a maior distinção militar dos EUA. A imagem original é de uma cerimónia de 2017 em que o presidente norte-americano distinguiu um médico militar da guerra do Vietname.

O pastor-belga Malinois prestou "serviços incríveis" durante o ataque de que resultou a morte de al-Baghdadi, a 26 de outubro, na Síria, destacou o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, o general Mark Milley.

O cão ficou "ligeiramente ferido" durante a operação, quando al-Baghdadi se fez explodir para não ser apanhado vivo, mas recuperou "facilmente", disse Donald Trump, e voltou ao ativo.

"Ele não está de mau humor, Jeff. Está com sorte", disse Trump a jornalista

O "militar" Conan, envolvido em 50 missões de combate em quatro anos, é da mesma raça do cão que em 2011 participou no ataque de que também resultou a morte do líder da Al-Qaida, Osama Bin Laden.

Donald Trump "elogiou repetidamente o desempenho de Conan" e descreveu a raça belga Malinois como a "melhor" em lutas e a farejar drogas, refere a Casa Branca. "É uma grande honra ter o Conan aqui. Uma grande honra ter as forças especiais aqui", disse.

Durante a declaração que fez à comunicação social, o presidente nunca interagiu com o cão, apesar de todos os elogios que fez ao pastor-belga. Questionado se pondera adotar Conan, Trump não respondeu.

"Ele não está de mau humor, Jeff. Está com sorte", gracejou o presidente dirigindo-se ao jornalista da Reuters, Jeff Mason. Trump afirmou que depois do ataque ao líder do Estado Islâmico, o cão já participou em operações militares "muito importantes".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG