Trump acusa Moscovo de minar os esforços para isolar a Coreia do Norte

Presidente americano afirma que a Rússia tem tomado medidas que tiram eficácia às sanções impostas ao regime de Pyongyang

O Presidente norte-americano, Donald Trump, condenou esta quarta-feira a postura da Rússia sobre a situação da Coreia do Norte, afirmando que o país está a minar os esforços internacionais em curso para isolar o regime de Kim Jong-Un.

"A Rússia não nos ajuda nada na Coreia do Norte", disse o Presidente à agência noticiosa Reuters, acrescentando que o que a China ajuda é depois enfraquecido pela ação russa.

Evocou a aplicação de sanções internacionais que visam pressionar o regime norte-coreano para que siga a via da desnuclearização.

O Presidente norte-americano não chegou a indicar se tinha tentado comunicar com o homólogo norte-coreano, mas já tinha exprimido reservas sobre a eficácia de um eventual encontro.

"Estaria pronto a sentar-me [à mesa das negociações] mas não sei se iria resolver o problema", afirmou.

Por outro lado, Trump estimou que a Coreia do Norte está próxima de conseguir lançar um míssil contra os Estados Unidos.

"Ainda não chegaram lá mas estão perto. Cada dia mais perto", alertou.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.