Trump disse e repetiu que Obama fundou o ISIS. Agora, diz que foi sarcasmo

O candidato republicano à Casa Branca andou dois dias a defender que o atual presidente é o fundador do grupo terrorista

Ao fim de dois dias, Donald TYrump recuou e tentou justificar a acusação de que Barack Obama era fundador do Estado Islâmico. Estava a ser sarcástico, esclareceu esta manhã.

Foi no Twitter que o candidato republicano à Casa Branca procurou limar a força da acusação feita na quarta-feira e repetida na quinta. "Ele é o fundador do ISIS", disse Trump num comício na Flórida na quarta-feira. "E eu diria que a cofundadora é Hillary Clinton", acrescentou o candidato defendendo que o grupo terrorista "respeita" o atual presidente norte.-americano.

As críticas a este tipo de comentários não se fizeram esperar e, apesar de ter tido oportunidade de refrear os ânimos, na quinta-feira Trump garantiu que era isso mesmo que queria dizer. O The New York Times conta que numa entrevista radiofónica a Hugh Hewitt, o republicano insistiu: "Eu quis dizer que ele é o fundador do ISIS".

Hoje, Donald Trump virou o discurso e disse que estava a ser sarcástico.

Também hoje, a imprensa norte-americana avançou que cerca de 70 republicanos dos Estados Unidos da América vão pedir ao partido para cortar o financiamento da campanha presidencial de Donald Trump.

O pedido será feito numa carta a ser enviada na próxima semana, a que alguns 'media' tiveram acesso, na qual os signatários dizem que Trump, o candidato do Partido Republicano à Presidência dos EUA, "ameaça" transformar as eleições de novembro numa "vitória esmagadora" dos democratas, que têm como candidata Hillary Clinton.

Pedem, por isso, que os apoios sejam reservados para as eleições para outros cargos.

"Só uma mudança imediata de todos os recursos disponíveis do Comité Nacional Republicano para [apoiar] lugares vulneráveis do Senado e da Câmara dos Representantes evitarão que [o partido] asfixie com a corda de Trump no pescoço", lê-se no texto.

As "possibilidades de Trump ser eleito evaporam-se a cada dia que passa", consideram os autores da carta.

Já na segunda-feira, 50 republicanos que exerceram funções importantes na segurança nacional norte-americana denunciaram a ignorância e incompetência do candidato, considerando que seria "o presidente mais perigoso da história" do país.

"O sr. Trump não tem a personalidade, os valores ou a experiência para ser Presidente", escreveram numa carta aberta, dizendo ainda que o candidato parece ignorar aspetos elementares da Constituição e do Direito norte-americanos.

Diversos dirigentes do Partido Republicano têm dito publicamente que não apoiam a candidatura de Trump à Casa Branca.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG