Trump considera proibir voos do Brasil. "Não quero pessoas a virem para cá e a infetarem o nosso povo"

"O Brasil está a ter problemas, não há dúvidas sobre isso", afirmou o presidente dos EUA.

O presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta terça-feira que considera proibir voos provenientes do Brasil, declarando que "não quer pessoas" a deslocar-se para os Estados Unidos para "infetar" o seu povo.

"Estamos a considerar isso [proibir voos do Brasil]. (...) Não quero pessoas a virem para cá e a infetarem o nosso povo. Também não quero que as pessoas fiquem doentes por lá. Estamos a ajudar o Brasil com ventiladores, estamos a enviar ventiladores para lá. O Brasil está a ter problemas, não há dúvida sobre isso", disse Donald Trump em conferência de imprensa.

Esta não é a primeira vez que o Presidente norte-americano avalia a suspensão de voos a partir do Brasil. No final do mês passado, Trump afirmou que "acompanha de perto" o "surto sério" do novo coronavírus no país sul-americano, dizendo ao governador da Florida, Ron DeSantis, que seria possível a suspensão dos voos.

"Se precisar [de interromper voos do Brasil], avise-nos", afirmou Trump a Ron DeSantis, citado pela imprensa.

Brasil com mais de 17 mil mortos

Até segunda-feira, o Brasil totalizou 17.971 óbitos e 271.628 pessoas diagnosticadas com covid-19, desde a chegada da pandemia ao país, informou o executivo brasileiro.

Já os EUA têm o maior número de infeções e mortes pelo vírus, com 1,5 milhões de infetados e mais de 90.000 óbitos associados à covid-19.

A Casa Branca já vetou o acesso ao país a viajantes provenientes da China e de grande parte da Europa para conter a disseminação do novo coronavírus, algo que não evitou os contágios nos Estados Unidos.

Questionado sobre quando tenciona levantar o veto a estrangeiros de grande parte da Europa, Trump respondeu: "Eu adoraria reabrir o mais rápido possível, mas temos de garantir que estamos a ir bem (nos esforços para conter a pandemia), e que eles também estão a ir bem".

O encerramento das fronteiras aéreas com a Europa começou em 14 de março, por um período inicial de 30 dias, que já foi renovado e que pode ser prolongado caso Trump considere apropriado.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 320 mil mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano passou agora a ser o que tem mais casos confirmados (mais de 2,1 milhões contra mais de 1,9 milhões no continente europeu), embora com menos mortes (quase 128 mil contra mais de 168 mil).

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG