Trump confirma: filho de Bin Laden foi morto em ação militar dos EUA

O herdeiro do fundador da Al-Qaeda morreu numa operação de contraterrorismo na fronteira Afeganistão-Paquistão, anunciou a Casa Branca em comunicado. Não refere quando ocorreu a morte.

O presidente dos EUA, Donald Trump, confirmou este sábado que Hamza bin Laden, filho e herdeiro designado do fundador da Al-Qaeda, Osama bin Laden, foi morto numa operação de combate ao terrorismo ao longo da fronteira Afeganistão-Paquistão, noticia a agência AFP. Não foi divulgado em que momento ocorreu a operação.

"A perda de Hamza bin Laden não apenas priva a Al-Qaeda de importantes ações de liderança e da conexão simbólica com o seu pai, mas prejudica importantes atividades operacionais do grupo", disse Trump, em comunicado divulgado pela Casa Branca.

Trump também diz que "Hamzan Bin Laden ​​​​​​​era responsável por planear e negociar com outros grupos terroristas".

Os media dos EUA relataram no início de agosto, citando funcionários dos serviços secretos, que o jovem Bin Laden tinha sido morto no decorrer dos últimos dois anos numa operação que envolveu os Estados Unidos.

O secretário de Defesa Mark Esper confirmou a morte no final do mês passado, dizendo que "entendia" que Hamza Bin Laden estava morto, mas Trump e outras autoridades não confirmaram então publicamente a notícia. O que aconteceu agora.

O 15º dos 20 filhos de Osama bin Laden e o filho de sua terceira esposa, Hamza, com cerca de 30 anos de idade, estava "a emergir como líder da Al-Qaeda", afirmou o Departamento de Estado ao anunciar uma recompensa de um milhão de dólares pela sua cabeça, em fevereiro de 2019.

O Departamento de Estado afirmava que objetos apreendidos no esconderijo de Bin Laden no Paquistão, durante o ataque em 2011 que resultou na em sua morte, indicaram que Osama estava a preparar Hamza bin Laden para substituí-lo como líder da Al Qaeda.

No início do ano, a Arábia Saudita revogou a cidadania de Hamza bin Laden, informou o jornal oficial Um al-Qura, citando uma ordem real emitida ao Ministério do Interior.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG