Trump classifica encontro com Vladimir Putin de "formidável"

Washington e Moscovo divulgaram versões contraditórias sobre a reunião dos dois líderes

O presidente norte-americano, Donald Trump, qualificou hoje de "formidável" o primeiro encontro com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, que decorreu na sexta-feira à margem da reunião do G20, na cidade alemã de Hamburgo.

"O encontro [com Putin] foi formidável", declarou Trump, no início de uma reunião com a primeira-ministra britânica Theresa May, com quem os Estados Unidos querem um acordo comercial forte "muito rapidamente".

Washington e Moscovo divulgaram versões contraditórias sobre a reunião dos dois líderes, com os norte-americanos a afiançarem que Trump afrontou a questão sensível da alegada interferência russa nas eleições para a Casa Branca.

Os russos garantiram que o presidente norte-americano "aceitou" as declarações de Putin, que negou quaisquer intromissões.

Consensual entre as duas partes foi o acordo para um cessar-fogo, a partir de domingo, no sudoeste da Síria.

Quanto ao encontro desta manhã entre Trump e May, o presidente norte-americano assegurou que entre os dois países haverá "muito, muito rapidamente" um acordo "muito forte", a nível comercial.

Aos jornalistas, o líder norte-americano notou "não haver outros países que possam estar tão próximos" como os EUA e o Reino Unido.

Questionado sobre uma deslocação a Londres, Trump respondeu afirmativamente, mas sem avançar datas para uma viagem, que já levantou polémica entre alguns setores sociais britânicos.

Na agenda de May para este encontro estavam previstos os temas das alterações climáticas e o abandono dos EUA do acordo de Paris sobre esse tema.

Este segundo encontro bilateral ocorre depois do Reino Unido ter começado formalmente as negociações para a saída da União Europeia, na sequência de um referendo.

Para hoje Trump tem ainda previstos encontro bilaterais com o presidente chinês, Xi Jinping, o presidente indonésio, Joko Widodo, el primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien Loong, e com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.