Trump cancela planos de Ano Novo devido ao "shutdown" do governo

Senado rejeitou aprovar os fundos solicitados pelo presidente para um novo muro entre os EUA e o México. Falta de acordo levou ao que designam de "shutdown" pela terceira vez num espaço de um ano.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cancelou os seus planos para celebrar o Ano Novo e vai permanecer em Washington, enquanto se negoceia o fim da paralisação parcial (designada "shutdown") do governo federal, anunciaram fontes da Casa Branca.

O chefe interino da Casa Branca, Mick Mulvaney, disse que Trump vai continuar a trabalhar com os congressistas para um acordo que permita o retomar da atividade da Administração, salientando que o Presidente norte-americano já tinha cancelado os planos no Natal e que vai fazer o mesmo no Ano Novo.

10355659

As negociações entre democratas e republicanos para acabar com a paralisação parcial do governo federal dos Estados Unidos fracassaram na quinta-feira e deverão continuar na próxima semana. O Presidente norte-americano, Donald Trump, recusa aprovar um projeto de orçamento preparado pelo Congresso se não integrar o financiamento de um muro na fronteira com o México, no valor de cinco mil milhões de dólares.

A oposição democrata, que recusa votar este artigo do projeto, propõe alocar 1,3 mil milhões de dólares para melhorar o sistema de vigilância na fronteira. Sem orçamento, muitos ministérios e agências governamentais fecharam as portas no sábado de manhã, deixando cerca de 800 mil funcionários em licença sem vencimento ou, em serviços considerados essenciais, forçados a trabalhar sem remuneração em pleno período de festas.

Na sexta-feira, Donald Trump ameaçou fechar a fronteira com o México se os democratas não incluírem no orçamento o financiamento do muro para separar os dois países.

"Seremos obrigados a fechar completamente a fronteira sul se os democratas obstrucionistas não nos derem o dinheiro para terminar o muro e também para mudar as nossas ridículas leis migratórias", escreveu Donald Trump na sua conta no Twitter.

O chefe de Estado acrescentou considerar que o encerramento da fronteira uma "operação rentável", argumentando que "os Estados Unidos perdem tanto dinheiro com o comércio com o México sob o NAFTA [Tratado Norte-Americano do Comércio], mais de 75 mil milhões de por ano (sem incluir o dinheiro da droga que seria muitas vezes este montante)".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.